15 out 2002 - 13h36

Semana do Atleticanismo

Posso me definir como um curitibano em São Paulo. Mas, na infância, era o
contrário. Morava em Sampa e visitava os parentes nas férias escolares. Família
ligada ao Atlético que, na década de 70, sofria ante a hegemonia coxa-branca.
Foi numa dessas noites frias de julho, em 77, que me convidaram para um
Atletiba. Foi o primeiro da minha vida, e também o que não descola jamais da
minha retina.

Sentei num lugar pouco aprazível – as sociais verdes – mas privilegiado. Dali,
em meio à turba, podia ver toda a curva rubro-negra. Que emoção! Que vibração!
Na entrada do time, apoteótica, a massa ensandecida calou os outros dois terços
do estádio.
Jogo tenso. Decisão de turno. Zero a zero. O jogo vai para a prorrogação.
Minutos finais. Falta para o Atlético na entrada da grande área. Não sei quem
cobrou. No rebote da defesa, Rotta chutou para as redes alviverdes. Delírio.

Levantei-me para gritar gol. Fui contido por meu tio, com medo da reação coxa.
Medo despropositado. Quase todos se levantaram ao mesmo tempo para ir embora…

Cyro Viegas de Oliveira
Atleticano e Jornalista
São Paulo – Capital

cyro@w3ol.com.br

Participe da Semana do Atleticanismo. Envie o seu texto para equipe@furacao.com
com seus dados completos. Estamos esperando.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…