17 out 2002 - 11h07

Um guerreiro

Quem é mais “das antigas” poderá se lembrar da TGB – Torcida Guerrilheiros da Baixada. Na verdade eu lembro muito vagamente, lembro da camisa e de ouvir falar. Mas seu nome já ficou na história do Rubro Negro.

Hoje em dia, no elenco do Atlético, alguns jogadores estão marcados. Alguns pelas saídas noturnas, pela irresponsabilidade e pela falta de apego às coisas atleticanas. Mas temos alguns exemplos de dedicação. Mesmo não jogando bem, Cocito, Gustavo, Fabiano são jogadores que sempre se empenham pelo Furacão. Desculpem-me, esqueci do goleiro Flávio, atleta com mais tempo de clube e que conquistou mais títulos na história atleticana.

Mas um é especial. Adriano, o Gabiru. Jogador versátil, habilidoso, rápido e acima de tudo raçudo. Como é bom ver Adriano jogar cada partida como se fosse a última de sua vida.

Gabiru já passou fome, teve problemas em sua formação na adolescência. Foi para a Europa e viu que não são apenas dólares que trazem felicidade. Sentiu a dor do preconceito, saudade da família, problemas com o idioma. Voltou e se consagrou.

Assim como a TGB, Adriano tem seu nome na história do Atlético. Um verdadeiro guerreiro que sabe que a camisa rubro negra, só se veste por amor!



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…