18 nov 2002 - 11h49

Opinião: “o choro de Wellington Paulo”

Em 1994 a situação foi parecida. Ainda no ‘Farinhacão’ os torcedores se revoltaram contra o elenco atleticano e ameaçaram bater nos jogadores. A cena foi bem ao lado do símbolo do Atlético moldado em concreto, bem na entrada da Baixada.

Ontem o fato foi em menor intesidade. Só que mesmo assim, lamentável. Os poucos heróis que viram a goleada do Atlético sobre o classificado Juventude, buscaram em Wellington Paulo o grande vilão do Campeonato.

Os cuspes, as vaias, os palavrões e a agressão psicológica em cima do atleta vão ficar para sempre. Não tenho procuração para defender o zagueiro. Não o conheço. Acho até que ele não mereceria jogar no Atlético Paranaense. Só que ver Wellington Paulo de cabeça baixa, voltando para o vestiário, chorando, foi triste.

O zagueiro não tem culpa de ter um nível técnico abaixo dos padrões do rubro-negro. O zagueiro não tem culpa por jogar no time titular do clube – ainda – campeão brasileiro.

Culpa tem a diretoria, que contratou Wellington Paulo, e fez uma nação chorar por todo ano de 2002.

Sérgio Tavares Filho
colunas@furacao.com



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…