1 dez 2002 - 21h50

O Dossiê de Dagoberto

Nos últimos anos, a principal característica do Atlético é a revelação de novos talentos, seja com contratação de nomes desconhecidos e que despontam no cenário nacional (casos de Kléber, Alex Mineiro e Adriano), ou com a promoção de atletas das categorias de base (como Kleberson e Fabiano). O “menino dos olhos atleticanos” da vez é o meia atacante Dagoberto, um prata da casa que tem tudo para seguir o caminho promissor de outros jogadores revelados pelo Furacão. Ele foi a principal sensação do futebol paranaense nesta temporada, recebendo o título de DaGOLberto.

Dagoberto Pelentier nasceu em Dois Vizinhos, mas foi criado em Enéas Marques, no norte do Paraná. No interior, dividia as peladas com os amigos com o trabalho na roça e os estudos. Em 98, chegou ao PSTC de Londrina, mesmo time que revelou o pentacampeão Kleberson. Foi contratado pelo Atlético em 2001 e, este ano, subiu para o profissional. Logo no primeiro jogo da temporada, o garoto mostrou a que veio: jogando contra o Cruzeiro, pelo Sul-Minas, o Atlético jogou com quase todo o time reserva; Dagoberto estava em campo e foi destaque.

Seu futebol habilidoso fez com que Geninho se preocupasse em não queimá-lo com a torcida. Por isso, o jogador figurava entre os reservas e entrava no decorrer das partidas, para ir adquirindo experiência. Mas o grande momento de Dagoberto foi no Torneio de Toulon, na França, com a Seleção Brasileira; o jovem atacante de 19 anos foi o principal destaque do time campeão.

Seu futebol rápido e ousado, sempre buscando o ataque, o gol, proporcionou algumas pirotécnicas que encantaram os torcedores. Dagoberto, por diversas vezes, chegou a ser comparado com Zico.

No Campeonato Brasileiro deste ano, Dagoberto foi regular. Com as constantes contusões dos atacantes Kléber, Alex Mineiro e Ilan, aliado a má fase do ataque titular, ele se transformou numa figura constante no time.

Daboberto marcou 5 gols no Brasileiro, dividindo a vice-artilharia do time com Fabiano. Foi também o vice-artilheiro do Atlético na temporada, com 14 gols (ficando atrás apenas de Kléber, que marcou 25). O gol marcado contra o Botafogo, poucos segundos após ter entrado em campo, projetou o jogador no cenário nacional. Ele também protagonizou outros lances de puro brilhantismo, aqueles que nos fazem acreditar que a barreira entre o futebol e a arte é muito estreita. Porém, com o decorrer da competição, o futebol imprevisível do jogador (e também do time) foi desaparecendo. E Dagoberto teve que amargar a despedida do campeonato como um simples coadjuvante, diante da má fase.

O nome de Dagoberto significa a principal esperança de que aquele velho futebol, imprevisível, visando sempre o ataque, que faz do gol uma obsessão, retorne ao time que um dia foi chamado de Furacão por arrasar, literalmente, seus adversários.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…