28 dez 2002 - 20h51

Opinião: “Heriberto Test-Drive”

Tudo começou com a chegada de Vadão. Desconhecido do futebol paranaense, Oswaldo Alwarez transformou o time em 1999 e classificou o Furacão para a primeira Libertadores da América. Desconhecido aqui, mas com enorme sucesso no interior paulista, quando dirigiu o Mogi-Mirim de Rivaldo e Leto impondo o esquema 3-5-2.

Depois dele, o Atlético tentou revelar outros nomes para o mundo da bola. Foi assim com Artur Neto, Flávio Lopes, Riva e Gilson Nunes. Nenhum prosperou. Todos foram demitidos. Ao contrário de Vadão, que seguiu daqui para o Corinthians.

E agora chegou a vez de Heriberto da Cunha fazer um “teste-drive” no Atlético. Se for bem, vai embora para outro grande time brasileiro que pague pela sua valorização. Se for mal, continua no ‘box’ esperando que alguém tenha coragem de chamá-lo para comandar uma equipe.

Cansei dessa política de pé no chão. Queria que os diretores de Atlético fossem um pouco mais arrojados e contratassem alguém mais experiente.

Só que parece que viramos marionetes nas mãos de quem está no poder. E comemos com farinha. Sem água para diluir. Acorda, direção!

Sérgio Tavares Filho
colunas@furacao.com



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…