27 fev 2003 - 7h43

Opinião: “foi o que tinha que ser”

E lá se foi mais um campeonato. O que se viu ontem a noite em Londrina, nada mais foi do que o resumo do Atlético neste ano. Vontade não faltou, raça, nem vergonha na cara. O time lutou muito, mas nem só de determinação vive um time, senão era mais fácil colocar onze fanáticos torcedores para jogar e pronto. Categoria se faz necessária.

Diego salvou o time que esteve muito mais próximo da derrota que da vitória. Adriano mesmo muito bem marcado foi destaque, junto com Alessandro e o voluntarioso Fabrício. Kléberson também batalhou e está recuperando seu futebol.

Alguns dos problemas que tanto influenciaram a campanha de 2002, voltaram a ser repetidos em 2003. Falta de comando, um afastamento muito grande entre Diretoria e elenco, falta de planejamento, contratação de treinador equivocada e a insistência com jogadores onde a relação custo X benefício já se mostrou maléfica.

A maior urgência é no setor ofensivo, onde Ilan mostrou-se mais uma vez figura caricata ( e ainda reclama das críticas) e o garoto Dago quer resolver tudo, sempre sozinho. Seria importante avisar para o jovem Dago, que os outros com camisa iguais a deles são “amiguinhos” e ele pode passar a bola para eles.

Agora é a Copa do Brasil. Não adianta querer se enganar. Falamos nos últimos anos que Paranaense não vale nada, que era sem graça. Porém, mais sem graça é ficar fora das finais.

A falta de organização do Atlético já trás dois resultados imediatos: estamos dando todas as chances do mundo para “eles” serem campeões e estamos fora da Copa do Brasil 2004. Acorda Diretoria que o Campeonato Brasileiro é há menos de um mês!



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…