31 jul 2003 - 13h42

Fala, Atleticano: Torcedores desabafam

A torcida atleticana está triste com a atual situação do time no Campeonato Brasileiro. A má fase da equipe motivou diversos torcedores a mandarem textos para a seção Fala, Atleticano, espaço democrático aberto à manifestação dos rubro-negros. Como apenas um texto é publicado por dia, seria impossível divulgar as opiniões de todos nesse momento. Por isso, excepcionalmente, publicamos os trechos das colunas que foram enviadas para o site. Leia os principais trechos:

Rogerio Cassaniga – rogerio@goldtower.com.br – empresário
Somos um grupo de torcedores assíduos e que ao longo do tempo aprendemos a conviver com os momentos bons e ruins do nosso Atlético. Entretanto, hoje, achamos que não dá para ver o time chegar onde chegou e ficarmos calados. Petraglia; você é uma pessoa competente, já demonstrou muitas vezes, o que está acontecendo que nós, como você, torcedores, não sabemos ou entendemos? Não é possível manter o Vadão e alguns dos jogadores que ai estão. Estamos fazendo estes comentários antes que seja tarde e tenhamos que passar por uma vergonha imensurável; que seria ver o Atlético na segunda divisão. E se os reforços contratados as pressas não derem resultado? Mande este técnico embora já e traga alguém do quilate de um Tite. Ofereça um bom dinheiro para o Bonamigo, ele ganha bem menos que o Vadão. Isso nos daria duas alegrias e você seria eternizado no atlético: teríamos um bom técnico e os Coxas perderiam o seu. Se fizer isso as rendas melhorarão muito e só com a diferença de renda da para pagar a diferença do técnico. Você não acha?

Luiz Claudio Santos – ccsantos@colnet.com.br – estudante
Sempre defendi Vadão neste espaço, mas não agüento mais. O nosso time joga sem alma e ele dá entrevistas dizendo que isso é normal, pois o grupo é novo, no ano que vem é que o time estará bem, etc. E o pior é que o Vadão de hoje é o mesmo Vadão que prejudicou o Atlético em outra ocasião. Já escrevi neste espaço que, em 99, num jogo entre Atlético e Corinthians na Baixada, Vadão tremeu de medo do “Timão” e pôs o nosso Atlético, na nossa casa, pra jogar com apenas um atacante. Tomamos dois a zero no primeiro tempo e só não fomos goleados porque Vadão consertou o erro e, na segunda etapa, pois Lucas pra jogar ao lado de Kléber. Empatamos o jogo e perdemos um pênalti. Não agüento mais. E não escrevo mais neste espaço. Vou parar de ver futebol por algumas semanas. Estou sofrendo muito, como toda a massa atleticana. E já faz tempo. Que Vadão vá embora e seja feliz em outro lugar. E que uma dúzia de jogadores o sigam!

Adolfo Claudio Padilha da Rocha – adolfocr@itaipu.gov.br – analista de sistemas
Não. Não pensem que chorei pela derrota contra o Santos, isto é uma naturalidade dentro do futebol nacional. Chorei ao ver nosso Furacão descaracterizado em campo. Chorei ao lembrar que há um ano atrás tínhamos um time superior a este Santos. Chorei ao ver uma torcida calada e triste no transcorrer do jogo. Chorei porque não temos mais uma identidade nacional que nos levou a lista dos TOP 10 do mundo. Não pretendo mais chorar, tenho esperança disto. Sou atleticano, a comissão técnica e os jogadores estão atleticanos, torço para que este ano acabe e possamos passar por ele ileso. Que em 2004 possamos corresponder ao grau de qualidade que nós determinados com o título brasileiro. Que nossos dirigentes, sejam quem, for, pensem desta forma, um grande time tem que ter um plantél de qualidade, um técnico de qualidade. Não podemos mais ser um time só como formador de futuros craques.

Fernando B. de Macedo – fernandobmacedo@hotmail.com – administrador
Que vergonha, que mediocridade, Arena lotada, e time limitado. Leomar, Luciano Santos, me desculpem novamente são muito fracos, não criam nada, atrapalham o Adriano e o Jadson. Jadson este que também não é uma enormidade mais ainda assim é o que temos. Fabrício é lerdo, sem vontade, sem determinação (a diretoria devia nos dar um presente e um presente para o próprio Fabricio conceder-lhe o passe livre com a condição de nunca mais passar na frente da Arena).

Fábio Soar – fsoar@uol.com.br – advogado
Meu nome é Fabio José Soar, advogado, natural de Curitiba, moro atualmente em Rio do Sul-SC, aproximadamente 300 km de Curitiba, com freqüência eu e meu pai nos deslocamos para assistir os jogos na Arena e ver o nosso Furacão. Ultimamente só vejo noticias que o time esta sob pressão, por nao ganhar fora de casa, os jogadores estão emocionalmente pertubados, só se for com a falta de vergonha de alguns. Vadão também esta desorientado, ora e 3-5-2 depois e 4-4-2 e finalmente ontem vimos o ridiculo 3-6-1, chega a torcida atleticana nao merce mais ser humilhada. Mesmo triste no dia hoje acredito que ainda podemos chegar em um luigar honroso, se medidas forem tomadas.

Wagner Diesel – wagnerdiesel@yahoo.com.br
É uma humilhação o que a Torcida Atleticana está passando nos ultimos meses, o time sequer tem vergonha na cara e ninguém faz nada. Chega de passar humilhação! Não basta a torcida vestir a camisa com amor e ir ao estádio torcer .Queremos comando nesse time, queremos vontade e raça desses jogadores, Queremos providências da parte da Diretoria, queremos acima de tudo “Vergonha na Cara” de todos que vestem essa camisa Rubro-Negra que só se veste por amor.

Geraldo Silva – gerams@socioambiental.org – agrônomo
Minha proposta, atleticanas e atleticanos, é simples, vou apresentá-la por partes: 1) Deixe de ir à Arena, pelo menos de vez em quando. Guarde sua grana para comprar um presente para você, sua família, namorada, ou dê comida para quem precisa. 2) Se você, como eu, não resiste e vai, mesmo antevendo sofrimento e vergonha, vire a sua camisa do lado do avesso. Quem quiser pode colocá-la de trás para a frente também. 3) Pelo menos durante alguma parte do jogo, com a bola rolando, vire de costas para o gramado. Talvez assim alguém lá embaixo perceba que torcedor tem brio, coração machucado e vergonha na cara. Pode ser que eu veja tudo diferente daqui pra frente. Mas por enquanto, este campeonato acabou.

Mário Montanha – montanha@sindijuspr.com.br – funcionário público
Tomara que eu esteja enganado, mas ontem saí da Baixada com o mal-estar de quem desce ladeira rumo à segunda divisão. As explicações se esgotaram. Nosso time sucumbiu. Não tem ambição, os jogadores – com raras exceções – continuam apáticos e a diretoria desapareceu. A decadência, iniciada em 2002, é fruto de uma política que privilegia transações com empresários – muitas delas carregadas de mistério e obscurantismo. O Atlético se transformou numa grande agência, onde tudo se negocia: contratos, vaidade, passado, história…

Julia Abdul-Hak – ju_hak@hotmail.com – estudante
A torcida atleticana é talvez a torcida mais paciente mas, paciência tem limite. 25 mil torcedores, quando o time ocupa a 17ª colocação, é ter amor pelo clube, pela camisa. Mas, 25 mil torcedores saindo de cabeça quente não é normal. O desrespeito com a torcida está muito grande, se para alguns jogadores só o dinheiro importa, para o torcedor, que em sua maioria não recebe salários milionários, o que importa é o AMOR pelo clube mas, aos poucos, esse amor se torna RAIVA. Uma raiva de ver que não podemos fazer nada.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Obrigado, Alberto!

Alguns vão julgar, “Cedo demais”… Mas para mim, já Deu!!!! Alberto Valentim: O LATERAL DIREITO, jamais será esquecido e estará entre os maiores camisas 2…