22 jan 2004 - 18h16

Opinião: “Apupos”

O Atlético começou bem os seus 80 anos, ganhando na estréia. Mas você que vaiou a camisa Rubro-Negra, começou mal. Muito mal. Era o primeiro jogo do time em 2004 e mesmo assim você não deixou seu azedume em casa e foi para a Arena para levando também a sua peçonha. O time estava ganhando e você já resmungava. E quando entrou o Fabrício, você teve não teve dúvida. Vaiou o rapaz insistentemente. Ele teve dez minutos para jogar, mas mesmo assim você não o poupou. Só dez minutos foram suficientes para você mostrar que não está a fim de ajudar o Atlético nessa temporada que se inicia.

Você, que vaiou a camisa Rubro-Negra, não teve sensibilidade para perceber que o time estava dando o primeiro passo em uma longa e exaustiva caminhada. Uma caminhada de recuperação, de retomada. E para isso, precisa de todo o apoio. Todos os jogadores precisam, sem exceção. Lembre-se do que diz a linda frase da Torcida Os Fanáticos: “O Atlético nos une. A união nos fortalece”. Nesse Ano 80, o Clube Atlético dos Paranaenses precisa de uma união sincera de diretoria, elenco, comissão técnica e, sobretudo, torcedores. Só assim ficaremos fortes nesse ano e buscaremos o nosso lugar de direito nas competições nacionais e internacionais.

Mas você não esperou e já atirou pedras em um rapaz que agora com Mário Sérgio pode ter a chance de encontrar seu futebol. Não sei se você, que o vaiou, lembra que ele foi um dos bons nomes do elenco no final do Brasileiro, jogando às vezes na lateral esquerda. Ele estava ganhando confiança. Mas você sabe tudo e sem vê-lo iniciar seu trabalho em 2004, já o descartou. Você tirou-lhe o direito de recomeçar. No meio da temporada, se o time (e ele) estiverem mal, você poderá até vaiar. Não seria justificável, muito pelo contrário, mas compreensível. Mas com apenas dez minutos? Tenha dó. Parabéns para o Mario Sérgio, que saiu em defesa do jogador.

Você, que apupou a camisa Rubro-Negra agora no início, economize seu dinheiro. Guarde-o para usá-lo no final da temporada, quando, sem você e sem sua “ajuda”, o Furacão estiver comemorando, se Deus quiser, uma grande conquista. Aí você compra ingresso, camisa e vai para o estádio, vibrar e fingir que é torcedor. Mas por enquanto, não gaste o seu rico dinheirinho para atrapalhar. A escalada apenas começou. E eu gostaria muito de ver de volta aquela torcida, que brigou com a CBF, com a Globo, com a Nike, que fazia romaria ao Pinheirão, que grita mais alto no Couto do que os próprios donos do penico. Você, que vaiou a camisa rubro-negra nesse primeiro jogo, não faz parte dela.

Juliano Ribas
Colunista da Furacao.com
coluna@furacao.com



Últimas Notícias