O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
16 mar 2004 - 20h10

Transforme a Baixada num verdadeiro Caldeirão

Temos que ter consciência sobre o que representa uma torcida para um time de futebol. Temos que ter consciência sobre o que é ser torcedor de um time de futebol. Temos que ter consciência sobre o que é ser atleticano.

O maior patrimônio que um clube de futebol tem é sua torcida, e é a torcida apaixonada que faz um time crescer e ser respeitado. E ser torcedor, é fazer parte de uma torcida, mas pra que esta torcida seja atuante, cada torcedor tem que fazer a sua parte, é óbvio.

Mas ser torcedor do Atlético é muito mais do que isso. Ser atleticano é uma dádiva, é ser fanático, é amar o Clube Atlético Paranaense de verdade. E o amor pelo Atlético é que gera esse fanatismo, principal característica da torcida do Atlético, não é à toa que o nome da principal torcida organizada se chama Os Fanáticos, porque são os torcedores fanáticos que constituem uma torcida vibrante, Apaixonada.

Ser atleticano é ser um privilegiado, é não temer a própria morte, na verdade, é muito mais que isso. Ser atleticano é tudo. Não há palavras para descrever o tamanho da paixão que o atleticano tem pelo furacão.

Tentar escrever o conceito de atleticano e tentar medir o tamanho da paixão rubro-negra não há como, pois é infinitamente incrível, seria como tentar medir o tamanho do universo, impossível.

Mas resumidamente seria isso. Até aqui, tudo ótimo; é maravilhoso torcer para o Atlético, mas nossa torcida tem que estar consciente sobre o que representa um caldeirão fervendo em dia de jogo do Atlético, e um caldeirão fervendo tem muito valor e muita importância para o Atlético.

Nós amamos futebol, e a alegria que contagia o futebol além da arte dentro de campo é a arte de torcer para um time, o principal responsável pela festa e pelo futebol ser bonito é o espetáculo da torcida, espetáculo da torcida que na verdade, nem sempre é espetáculo, pois depende da torcida, estádio vazio ou estádio calado, por exemplo, é espetáculo? Que chato, o que seria de uma torcida sem a vibração de uma organizada por exemplo? O futebol não teria graça.

A torcida que dá o verdadeiro espetáculo é aquela que tem a disposição de cantar, chorar, rir, gritar, se emocionar, vibrar, torcer com vontade, com garra, vestir a camisa rubro-negra com muito amor, amor profundo e verdadeiro, amor este que sai do fundo da alma e explode de emoção quando o time entre em campo, quando faz um gol, quando escutamos nosso hino, um amor inexplicável, enfim, um amor de atleticano.

Sabemos que a crítica pode ser construtiva se for feita na hora certa, no momento oportuno, mas na hora em que o nosso querido Atlético entra em campo e começa a apresentar o seu futebol, que nem sempre é dos mais agradáveis, mas independente disso, sabemos que este é o nosso Atlético, e nunca podemos abandoná-lo, não importa qual seja o profissional que esteja trabalhando no CAP, temos que ter consciência que sua intenção é a melhor possível e é este profissional que está representando as cores rubro-negras, me refiro a qualquer profissional do CAP, jogadores, diretores etc.

E também temos que ter consciência que nada na vida é perfeito, e que a derrota, o empate e as vitórias fazem parte, principalmente do esporte em geral, mais precisamente do futebol, que é a nossa paixão.

Portanto não podemos nos abalar com uma derrota, temos que erguer a cabeça quando isto acontecer e pensar firme, acreditar que num futuro próximo, iremos melhorar, iremos evoluir e progredir, com os erros a gente aprende a acertar da próxima vez, isso é natural.

E acrescento: Mesmo ganhando, mesmo perdendo, somos rubro-negros de coração. Mas o que eu quero chegar é que não devemos vaiar o Atlético por bobeira, como alguns atleticanos andam fazendo. Devemos fazer críticas construtivas, mas em momentos oportunos, e a hora do jogo não é um momento oportuno para isso.

Também temos que lembrar que quando entramos na nossa querida Baixada e quando vestimos nosso manto sagrado rubro-negro, não existem médicos, advogados, comerciantes, pedreiros, empresários, estudantes, faxineiros, pintores, vendedores, seja lá o que for. Quando entramos na Baixada, somos todos iguais, ninguém é pior ou melhor do que ninguém, estamos todos ali pelo mesmo objetivo, pelo mesmo ideal, um ideal de amar o Clube Atlético Paranaense, um ideal de ser atleticano, e de querer que o Atlético cresça e seja um time vitorioso cada vez mais.

Temos que se unir em prol do nosso mesmo objetivo: o melhor para o Atlético. E o melhor para o Atlético é ter uma torcida vibrante, que incendeie o caldeirão nos dias de jogos do CAP.

Mas pra que isso aconteça, todo atleticano, tem que estar consciente da sua importância na vida do Atlético, quando entrar na Baixada e o juiz autorizar o início da partida, nós entramos em cena impiedosamente, vamos cantar alto, vibrar, rir, chorar, até “ficar sem voz”, deixar que as emoções venham á tona, mas vamos torcer com o coração, com a garra e a verdadeira disposição de um grande atleticano.

E como aquele velho ditado diz: “Antes de falar do outro, se olhe no espelho”, portanto, se exigimos raça do nosso time, antes, temos que ter essa mesma raça exigida com a gente. Raça é a palavra-chave, tanto para o nosso time, quanto para nossa torcida.

Sigam os moldes da Torcida Organizada Os Fanáticos, que apesar de estar sendo prejudicada atualmente e nos últimos tempos por causa do efeito “elitização” do futebol, mesmo assim, os “poucos” fanaticanos que ainda estão na ativa e estão em todos os jogos do CAP, que é o meu caso, estes ainda honram o nome da torcida do Atlético, e honram também a principal virtude da nossa torcida, a vibração positiva e o apoio incondicional ao CAP, e conseqüentemente, o efeito “12º” jogador, mas pra que isso seja de forma integral dentro da comunidade atleticana, eu espero, que depois de ter lido este texto, no próximo jogo do CAP, você vá pro estádio com outro pensamento, você que é torcedor, lembre-se, do verdadeiro papel que sua torcida deve exercer nas arquibancadas, e o papel do atleticano é transformar a Baixada num caldeirão, mas pra isso, contamos com sua colaboração também, afinal, a união faz a força e não podemos esquecer que: “O Atlético nos une, a união nos fortalece”.

“Deus criou o mundo, nós atleticanos, criamos o Atlético”. “Deus fez o homem pra viver, nós atleticanos, fizemos o Caldeirão pra ferver”.

Não deixe que o caldeirão vire geladeira, por favor, faça sua parte pra que todo jogo do CAP, tenhamos um caldeirão bonito, repleto de alegrias, fervendo o jogo inteiro; simplesmente: VIBRA com o time! Não vaie o nosso querido Furacão! Compareça sempre que possível, Cante do início ao fim, dê o seu apoio incondicional ao nosso querido e magnífico Clube Atlético Paranaense.

E lembre-se que com isto você estará fazendo a sua parte beneficiando seu interesse e sendo de total importância na vida do CAP. Palavras de um grande atleticano fanático de 18 anos, estudante de Administração de Empresa da PUC-PR e integrante da torcida organizada Os Fanáticos.



Últimas Notícias