28 jun 2004 - 0h48

Análise do jogo: “Noite do nosso Atlético”

O colunista Rogério Andrade faz a análise do jogo entre Atlético Mineiro 0 x 1 Atlético. A vitória do Furacão deixou o clube rubro-negro em 8º lugar na classificação. Confira:

Noite do nosso Atlético

Dois jogadores do elenco atleticano me chamam muito a atenção por suas demonstrações de garra e vontade de vencer. Não que os demais não tenham a mesma vontade, mas Diego e Dagoberto são exemplos do que o torcedor quer ver em campo.

Diego foi o melhor em campo contra o temido galo. Fazendo valer o ditado popular, goleiro também precisa contar com a sorte, e hoje o goleiro do Atlético provou porque é um grande goleiro. Aliada a sua boa fase, a sorte chegou em momentos precisos: no momento do pênalti, no gol anulado e em algumas defesas em que achei que a bola iria entrar. Sorte nossa que Diego possui um diferencial: “personalidade”. Após uma semana em que foi esculachado, soube dar a volta por cima, e sou capaz de apostar que para muitos, Diego passou de marketeiro a herói em apenas uma semana. Ironia do destino? E o que será que o destino está reservando para Rogério Ceni, considerado um dos melhores goleiros do Brasil, após o “fiasco” no segundo gol do Palmeiras? Ficam as perguntas para aqueles que vivem em função de críticas negativas.

Dagoberto mostra a cada jogo estar recuperando de vez a sua boa performance. Rápido, valente e ousado, veste e honra a camisa rubro-negra como deve ser. No gol contra o Vitória já havia mostrado o tamanho do valor do símbolo estampado em seu peito. Em Belo Horizonte, Dagoberto armou, marcou e entortou a zaga mineira, deixando uma bela impressão.

Na zaga, Marinho foi bem, deixando o papel de grande zagueiro para Rogério Corrêa, que hoje, foi perfeito. Destaques a parte, não poderia de citar a estréia de Adriano, o saudoso “gabiru”, que volta aos gramados, selando de uma vez por todas a sua volta tão almejada. Levir nos tranqüiliza quando diz que Adriano precisa de ritmo de jogo, portanto, sua presença é certa como titular daqui há algumas rodadas. E por falar em Levir, fico espantado com sua convicção. Afirmou que o Atlético em Minas Gerais seria outro Atlético. O que vi, foi um Atlético mais inteligente, como o próprio Levir e o imprescindível Fernandinho, jogador fundamental e com exímio equilíbrio técnico.

E com Washington a história é escrita de forma diferente. Matador, foi para a rede e poderia ter feito mais. Hoje jogou em equipe e soube decidir sozinho, realizando uma jogada linda e calando o gigante Mineirão. E vejam só: tem gente por aí dizendo que seu time tem o ataque dos sonhos…(ou pesadelos!). O nosso atacante vale por três.

De um jogo difícil, passou a ser um jogo favorável. Poderia ser tranqüilo com a ampliação do marcador, o que não aconteceu, mas a noite era rubro-negra. Contra o galo mineiro, longe de casa, o Atlético me pareceu bastante à vontade, voltando para Curitiba para aqui permanecer por um bom tempo, por quatro rodadas, considerando ainda o jogo contra o Paraná Clube fora de casa. Os demais jogos na Arena, todos nas cores da freguesia verde e branca. Liderança à vista? Calma, vamos começar pelo Juventude no próximo sábado.

Boa semana a todos!

Rogério Andrade
Colunista da Furacao.com

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…