27 ago 2004 - 1h05

Muita atenção nessa hora

No próximo domingo, Atlético e Coritiba farão o clássico de número 21 em Campeonatos Brasileiros. Desde 1973, quando se enfrentaram pela primeira vez pelo torneio nacional, o Atlético obteve seis vitórias e sofreu dez derrotas, tendo ainda ocorrido cinco empates. O jogo é na casa do adversário onde o Furacão obteve apenas uma vitória em 1997, com gols de Paulo Miranda e Luisinho Vieira.

Com 45 pontos, o Atlético ocupa a terceira posição na tabela, enquanto o rival é o 10º colocado com 38 pontos. No entanto, ambas as equipes estão muito motivadas pela seqüência de bons resultados e pela subida de posições na tabela de classificação.

Tabus

Tanto Atlético como Coritiba defendem uma série de invencibilidade no Campeonato Brasileiro. O rubro-negro não sabe o que é derrota desde o dia 24 de julho, quando perdeu para o Criciúma por 4 a 1 no sul catarinense, já totalizando 8 partidas sem derrota. Já o rival, desde os 4 a 2 para o Santos, em 29 de julho, não sai de campo derrotado.

Outro tabu a ser quebrado é a hegemonia alviverde jogando no Couto Pereira. Desde novembro de 1999, em partida válida pela Seletiva da Libertadores, o Furacão não sabe o que é vencer, quer seja no Brasileiro ou Estadual. Desde então foram realizadas oito partidas no Alto da Glória, com seis derrotas e dois empates. O Furacão fez apenas quatro gols e sofreu onze, piorando muito o retrospecto que estava sendo favorável nos últimos anos contra o Coritiba.

Naquela partida de 1999, Cocito, Luzinho Netto, Adriano e Kleberson viraram espetacularmente a partida, abrindo definitivamente o caminho para a primeira participação atleticana na Copa Libertadores da América de 2000.

Adversário

O Coritiba tentou concentrar-se para o jogo de ontem contra o São Caetano, mas não teve jeito. Mesmo com a derrota para o time paulista por 2-1, não tirou o foco das perguntas que já eram dirigidas para o clássico do final de semana. O treinador Antonio Lopes resolveu poupar alguns jogadores, como Aristizabal, Ataliba e Capixaba. Desfalque certo no entanto é o atacante Tuta, decisivo na final do paranaense e que recebeu o terceiro cartão amarelo na partida contra o Internacional. Em seu lugar estará em campo o jovem Alemão.

A maior dúvida é sobre a entrada do ala Adriano ou a permanência de Ricardinho. Com mais chances para o primeiro, o Coritiba teria uma postura mais ofensiva na partida, mas com Ricardinho poderia inibir as subidas de Fernandinho.

Atlético

Levir Culpi já declarou que o Atletiba é um jogo diferenciado. “Não adianta querer tratar como se fosse só mais um jogo do campeonato porque todos sabem que não é”, disse o treinador que mantém mistério sobre o time titular que vai começar a partida. Os zagueiros Marinho e Fabiano voltaram a treinar normalmente e o primeiro já confirmou sua presença no clássico. Fabiano ainda é dúvida, pois ainda há o receio de que algum choque mais forte possa lhe trazer problemas já que ele deve jogar com uma máscara protetora no nariz, quebrado na partida contra o São Paulo.

Outra dúvida é sobre o aproveitamento nas alas. Com Fernandinho na direita o time ganharia em ofensividade, mas poderia dar brechas perigosas ao adversário, principalmente se Adriano jogar. Na esquerda Ivan deve manter-se como titular, mas ainda há a chance da volta de Marcão por aquele setor, com a defesa sendo formada por Rogério, Marinho e Fabiano.

Na meia cancha Alan Bahia, Bruno Lança, Pingo e Raulen disputam posição, enquanto Jadson é presença garantida. “ Temos uma grande expectativa para essa partida, até mesmo porque uma combinação de resultados pode nos levar ao primeiro lugar. Vamos entrar em campo com muita humildade, pois Atletiba sempre é um jogo muito complicado e com certeza eles não vão facilitar nossa vida, principalmente por atuarem em casa”, declarou o jovem meia, uma das esperanças da torcida atleticana.

Se no ataque não há dúvidas quanto a condição de Washington e Dagoberto, Levir Culpi sabe que pode contar com a segurança do goleiro Diego, que ainda não sentiu o gostinho de derrotar o maior rival em sua própria casa. “ Tivemos a semana inteira para trabalhar e isso foi muito proveitoso. O ambiente está bom, estamos confiantes e concentrados. Sabemos que a hora é essa e não queremos ficar lamentando depois”.

Diego fez questão também de deixar um recado ao torcedor atleticano: “ Contem conosco pois estaremos lutando muito dentro de campo. Incentive o time, cante mais alto, enfim, ajude o Atlético, nas arquibancadas mas com muita paz. Façam uma festa bonita que vamos fazer de tudo para fazer a nossa parte”, declarou o goleiro que sofreu apenas dois gols nos últimos oito jogos.

Reportagem: Juarez Villela Filho, do Conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…