30 ago 2004 - 11h41

Torcida ditou o ritmo da vitória

Os quatro mil atleticanos presentes no Estádio Couto Pereira neste domingo tiveram participação decisiva na vitória do Atlético por 2 a 1. O jogo marcou o reencontro do time com a bateria da torcida organizada, fato que não acontecia em Curitiba desde o dia 7 de julho, no clássico contra o Paraná Clube, no Pinheirão.

Munidos pelo material de percussão, faixas e balões, os atleticanos fizeram uma bonita festa. Apesar da desvantagem numérica (havia cerca de 18 mil torcedores do adversário), a nação rubro-negra compensou no grito.

Mesmo quando o placar acusava 1 a 0 para o Coritiba, os torcedores do Atlético perceberam que o apoio podia fazer a diferença na virada. E foi o que aconteceu. Aos 35 minutos do segundo tempo, Fernandinho empatou, para delírio da torcida. E aos 40, com o gol de Washington, ficou a certeza de que quando time e torcida jogam juntos, ninguém segura o Furacão.

Após o apito final do árbitro, os jogadores reconheceram o apoio das arquibancadas e foram agradecer o incentivo da torcida. "Quatro mil torceres calaram mais de 20 mil (sic) torcedores do Coritiba. Isso mostra que a torcida tem uma força muito grande. Isso mostra que nós unidos podemos conseguir almejar alguma coisa neste campeonato", reconheceu o goleiro Diego.

A festa no estádio durou ainda cerca de 30 minutos depois que o jogo terminou. No ritmo do “dá-lhe Atlético”, os rubro-negros comemoravam a vitória, a quebra de um tabu de quase 5 anos sem vitória no Couto Pereira e o mais importante, a liderança no Campeonato Brasileiro – ao lado de Santos e Juventude.

Colaboração: Eduardo Caballero



Últimas Notícias

Brasileiro

Cuidado!

  Foco na competição: No Brasileirão o Athletico ainda tem 11 jogos para disputar, o equivalente 33 pontos. Seis jogos em casa, cinco jogos fora.…

Notícias

O bom filho?

ANÚNCIO: Dia 01 outubro, um dia após vencer o Peñarol por 2 x 0, na Arena da Baixada e garantir presença na final da Copa…

Opinião

O Furacão voltou

Não podia ser num jogo qualquer… Nosso retorno para casa tinha que ser numa semi-final de Copa do Brasil, contra o badalado e protegido Flamengo,…