31 ago 2004 - 23h05

A grande diferença de 2003

Troca de treinador, um time com crises técnicas dentro do elenco e saldo de gols negativo. Nem a volta do herói de 2001 conseguiu dar jeito no time que havia vencido apenas uma partida fora do Joaquim Américo depois de 27 rodadas disputadas.

Assim estava o Atlético há pouco menos de um anos. O time, que passou o primeiro turno sendo comandado por Vadão, estava sob a batuta de Mário Sérgio, que estreou com vitória contra o Paraná Clube no dia 06 de agosto. Passado o primeiro turno e mais quatro rodadas do returno, o Atlético contabilizava uma campanha de dar medo no torcedor: 12 derrotas, 6 empates e 9 vitórias. O aproveitamento em 2003 era de apenas 40,74% dos pontos disputados, deixando o Furacão na modesta 16ª colocação.

Atualmente o Atlético tem aproveitamento de 59% dos pontos, ocupando a liderança da competição ao lado de Santos e Juventude que se enfrentam nesta 28ª rodada do campeonato. Dependendo da combinação de resultados, o Rubro-negro pode disputar a 29ª rodada defendendo a liderança isolada da competição. Um cenário bastante diferente e bem mais animador.

Alguns destaques

Os destaques individuais eram Ilan, que mesmo em eterna briga com a torcida já havia feito 15 gols (mesma marca de Washington este ano) e o goleiro Diego, quase sempre eleito o melhor em campo. O vice-artilheiro em ambos os anos é Dagoberto que havia marcado 7 gols em 2003 e que neste ano já balançou as redes adversárias 12 vezes.

Os números são amplamente favoráveis ao time deste ano que já marcou 46 gols (terceiro melhor ataque até a 27ª rodada) e sofreu 28, tendo ficado em 13 oportunidades sem levar gols. Ano passado, o Atlético havia feito 35 gols e sofrido outros 38, sendo que em apenas 5 jogos o time não havia levado gols, ainda que em duas oportunidades o placar tenha sido 0 X 0.

Outro ponto que define bem as diferenças é na avaliação individual dos atletas. Ano passado, no Prêmio Bola de Prata da Revista Placar, o mais conceituado prêmio futebolístico no país, apenas o goleiro Diego (8º) e o atacante Ilan (9º) figuravam entre os aspirantes ao título de melhores em suas posições. Em 2004, o lateral Raulen (7º), os zagueiros Fabiano (4º) e Marinho (5°), o meia Jadson (5º) e os atacantes Washington (4º) e Dagoberto (5º) brigam rodada a rodada para conquistar este importante prêmio. A dupla de atacantes está inclusive entre os melhores de todas as posições, lutando pela conquista da Bola de Ouro.

Torcida continua festeira

O que não muda, independentemente da campanha do time, é a paixão da nação Rubro-negra. Ano passado, mesmo em uma má campanha, o Atlético mantinha a melhor média de público do Estado, levando ao Joaquim Américo 10.438 torcedores por partida. Já em 2004, devido a bela campanha apresentada e mesmo com a queda de braço entre torcida e diretoria na questão do preço dos ingressos no início do certame e agora com a proibição da entrada da bateria no anel inferior, a média atleticana é a terceira maior entre todos os 24 participantes, com 11.308 espectadores por partida.

Por fim, o Atlético terminou a competição do ano passado com 60 pontos ganhos em 17 vitórias e 9 empates, ocorrendo ainda 20 derrotas. O ataque terminou a competição com a marca de 67 gols feitos e 73 sofridos, terminando o ano com um débito de 6 tentos.

Esse ano, o que nos aguarda? Quem sabe mais uma estrela dourada no nosso manto.

Reportagem: Juarez Villela Filho, do Conteúdo da Furacao.com



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…