7 set 2004 - 21h40

Duelo de titãs

De um lado, o Santos, campeão brasileiro em 2002 e líder do atual campeonato com 51 pontos, 66 gols marcados e 45 levados. Do outro, o Atlético, campeão nacional em 2001 e também líder da atual edição, com os mesmos 51 pontos, 48 gols feitos e 28 sofridos. O jogo desta quarta-feira à noite, no Estádio Urbano Caldeira, colocará frente a frente essas duas equipes, as mais badaladas do país no momento.

Desde que o Campeonato Brasileiro começou a ser disputado por pontos corridos, no ano passado, desapareceu um dos principais atrativos do calendário futebolístico brasileiro. Não existe mais final. A competição é decidida jogo a jogo. O campeão é o time mais regular, aquele capaz de obter os melhores resultados durante as 46 rodadas. Coincidentemente, Santos e Atlético foram protagonistas das duas últimas finais do Brasileirão.

Ainda faltam 18 rodadas para o final do Brasileirão, mas a torcida vem apontando o confronto desta quarta-feira como a "final" do campeonato. O vencedor do duelo teria ao menos a legitimação necessária para conquistar o título, ainda que restem muitos jogos para o término.

O Atlético rechaça o rótulo de decisão antecipada. “Não é a decisão. Decisão é quando você decide alguma coisa. Teremos ainda outras 17 partidas no campeonato, que temos que encarar com o mesmo espírito", afirma o técnico Levir Culpi. Os santistas também não exageram na importância do jogo. "Trata-se de uma partida muito complicada, pois o adversário nos estudou bastante e conhece a nossa equipe. É uma decisão, um jogo de seis pontos", diz Vanderlei Luxemburgo, para quem todos os jogos são decisivos.

Culpi e Luxemburgo têm razão. O jogo entre Santos e Atlético talvez não seja "a decisão" do Brasileiro, pois todos os jogos são decisivos. Porém, não há como negar que o duelo desta quarta-feira é a principal decisão, o jogo mais atraente do campeonato e que terá maior atenção da mídia.

Por isso, jogadores dos dois times estão concentrando esforços. "Este é mais um jogo de seis pontos. Eu acredito que o que vai contar muito é o emocional", aposta o capitão atleticano Fabiano. "Será um jogo de seis pontos. Essa é uma oportunidade que teremos para abrir três pontos em cima deles. Estamos encarando essa partida como decisiva", diz o meia santista Ricardinho, afinando o discurso.

A lamentar, apenas as ausências dos craques Dagoberto e Robinho. O primeiro cumprirá suspensão automática, enquanto que o segundo está com a Seleção Brasileira na Alemanha. Também não jogarão os santistas Paulo César, Elano e Deivid. Além de Dagoberto, o Atlético só não terá o volante Bruno Lança.

O técnico Levir Culpi ainda não definiu a escalação do Furacão, evitando fornecer mais informações para Luxemburgo armar o Santos. A única dúvida é em relação ao substituto de Dagoberto. Porém, isso pode implicar a alteração de diversas posições, com a saída de Fernandinho da lateral para o meio, o deslocamento de Pingo para a lateral e a entrada de Rogério Corrêa na zaga. Outra opção seria a escalação de Dennys como titular.

No Santos, não há mistério. William e Basílio formarão o ataque e Marcinho exercerá a função de Elano no meio-campo. Outra novidade é a manutenção do goleiro Mauro. O chileno Tapia, antigo titular, voltou das Eliminatórias direto para o banco.

O jogo terá transmissão pela televisão aberta (Globo para São Paulo e Record para o restante do Brasil). Eis uma boa oportunidade para os atleticanos de todo o Brasil gravarem a partida. No final do ano, pode ser uma recordação da final antecipada da competição – isso se tudo der certo para o Furacão.

29ª rodada – Brasileiro – (08/09/04) – Santos x Atlético
L: Vila Belmiro; H: 21h50; A: Edílson Soares da Silva (RJ); T: Record e Net (ppv).

SANTOS: Mauro; Flávio, Antônio Carlos, André Luís e Léo; Fabinho, Zé Elias, Marcinho e Ricardinho; William e Basílio. T: Vanderlei Luxemburgo.

ATLÉTICO: Diego; Pingo (Fernandinho), Marinho, Rogério Corrêa, Marcão e Ivan; Fabiano, Alan Bahia e Jadson; Fernandinho (Dennys) e Washington. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…