27 set 2004 - 10h33

Para Levir Culpi, resultado foi justo

Após a vitória surpreendente sobre o Flamengo, o técnico Levir Culpi concedeu uma coletiva à imprensa e falou sobre as substituições que fez durante a partida e das dificuldades que a equipe enfrentou. Para Levir, o time não teve sorte porque o resultado começou a ser construído no início da semana. "A sorte bate na porta de quem está trabalhando", afirmou.

Levir também reclamou da temperatura durante o jogo, do gramado alto e elogiou a postura do Flamengo, que na sua opinião, cresceu muito de produção nos últimos jogos. Confira a coletiva:

Jogo

"O jogo foi emocionante pela forma como foi construído o resultado. Eu não considero que foi um resultado injusto, mas nós dizemos uma apresentação que não esperávamos. Nós tivemos uma dificuldade, que agora fica melhor para colocar, porque nós ganhamos. Foi o primeiro jogo que nós jogamos com uma temperatura acima de 30º, nosso gramado estava um pouco alto e os jogadores sentiram um pouco de dificuldade no jogo. Mas o Flamengo também sentiu, eles procuraram como sempre ter uma boa posse de bola, mas não tinha muita contundência e nas nossas oportunidades que tivemos, também não conseguíamos fazer. O time não teve um volume que costuma ter quando joga em casa. Mas as oportunidades apareceram e nós continuamos até o final do jogo".

Resultado

"Está todo mundo de parabéns, é assim mesmo que funciona. O campeonato é muito difícil, o Flamengo é um time que cresceu muito de produção nos últimos jogos e, portanto, a gente esperava um jogo difícil. Tivemos um pequeno problema de montagem da equipe antes e durante o jogo. Mas deu tudo certo. Eu entrei no vestiário e falei para os jogadores que isso não é sorte, porque esse resultado nós começamos a construir na segunda-feira passada. Os treinamentos foram excelentes e aí é aquela história: a sorte bate na porta de quem está trabalhando. Fiquei feliz pelo resultado, que foi merecido, apesar de perceber que o nosso time jogou abaixo do seu potencial".

Substituições

"O Jadson hoje não teve uma produção normal que ele estava tendo nos últimos jogos, mas é um jogador que nos 45 minutos pode fazer uma jogada e a gente concluir. Só que com o resultado negativo eu preferi apostar e deixar o Jadson, pela qualidade que ele tem numa bola parada, ainda mais numa situação como a que a gente estava enfrentando. Resolvi partir pra cima do Flamengo, que não tinha muita contundência no ataque. Preferi tirar o Fabiano, que é o menos veloz dos zagueiros, e fiquei com os dois mais rápidos, que estavam bem na partida, deixando eles jogarem para frente, em cima de uma possibilidade ofensiva. Eu sabia que o Flamengo ia recuar um pouco, ia ser automático. Felizmente deu certo e os jogadores entraram firme. O Morais entrou firme e o Fernandinho teve um pouco mais de liberdade por dentro, já no segundo tempo. E o Denis, apesar do pouco tempo, teve uma presença bem marcante, ele puxou a defesa do Flamengo para trás. Deu tudo certo. Quem passou a semana trabalhando sabe que não foi fácil e que nós não tivemos sorte. Foi uma oportunidade que apareceu e nós estávamos preparados para esta oportunidade".

Dificuldades

"Várias situações de dificuldade, entre elas, a boa fase que o Flamengo passa. Eles, nos últimos jogos, melhoraram bastante o sistema defensivo. A dupla de zaga hoje, enquanto pôde, teve uma boa atuação. Eles jogaram muito fechados, é um time que valoriza bem a posse de bola, como todo time carioca. Isso dificulta, pois nós não tínhamos uma temperatura ideal para sufocar o tempo todo o adversário. Com uma temperatura dessa é importante manter o toque de bola, mas para penetrar fica mais difícil. O time não teve a contundência que nós tínhamos em outros jogos. Então acho que isso acaba prejudicando um pouco. Nós falhamos no gol do Junior Baiano, nós tínhamos uma marcação individual que na hora não aconteceu. Então são erros que acabam às vezes te derrotando. Mas eu acho que no geral da partida, nós estivemos muito mais próximos da vitória do que o Flamengo. É por isso que eu considero o resultado justo, apesar das dificuldades".

Lições

"A situação agora do Vitória é completamente diferente. Vamos ver a formação deles, como eles virão pra cima da gente, a parte tática. Todo jogo você tem o percentual de erros e acertos. Com certeza hoje o nosso percentual de erros foi maior que o de acertos que nós tínhamos normalmente. O jogo contra o Vitória nós começamos a ganhar a partir de amanhã, já vamos viajar para Salvador, estudar o adversário e procurar ter um jogo mais dinâmico do que nós tivemos hoje, com um pouco mais de contundência. Essa é a nossa 35ª partida. Às vezes as coisas não funcionam da forma como a gente pretende. Já fizemos bons jogos e não conseguimos vencer. Hoje nós fizemos um jogo apenas regular, mas a vitória eu ainda digo que acabou sendo justa".



Últimas Notícias

Notícias

O bom filho?

ANÚNCIO: Dia 01 outubro, um dia após vencer o Peñarol por 2 x 0, na Arena da Baixada e garantir presença na final da Copa…

Opinião

O Furacão voltou

Não podia ser num jogo qualquer… Nosso retorno para casa tinha que ser numa semi-final de Copa do Brasil, contra o badalado e protegido Flamengo,…