29 set 2004 - 22h17

Enfim, só!

Apesar de não apresentar um futebol exuberante, o Atlético saiu da Bahia com os três pontos. Washington, duas vezes, e Fernandinho, garantiram o sucesso do Furacão sobre o Vitória. A derrota do Santos para o Internacional garantiu a liderança isolada do Campeonato Brasileiro.

O primeiro tempo não começou bem. Com o meio-campo sendo dominado pelo Vitória, o time baiano arriscou a primeira bola aos nove minutos. Obina chutou na trave. Três minutos depois, Dagoberto deu a resposta. Ele conseguiu se infiltrar na zaga adversária, chutou para trás, só que ninguém concluiu.

Depois que o árbitro Leonardo Gaciba começou a distribuir cartões (Pingo, Fernandinho, Milton do Ó e Alex Santos foram advertidos), a partida teve outro ritmo e as principais emoções ficaram para os quinze minutos finais. Washington recebeu livre na área mas chutou fraco, para fácil defesa de Juninho. Aos 34 minutos Edílson abriu o placar. Na falha de marcação da zaga do Atlético, o pequenino atacante baiano subiu sozinho para finalizar.

Com o gol, o Atlético despertou e foi para cima. Dagoberto foi derrubado na entdada da área e o árbitro gaúcho, Leonardo Gaciba, marcou pênalti. Washington cobrou no canto esquerdo de Juninho, que defendeu. O Atlético não desanimou e continuou em cima. Faltando um minuto para acabar o primeiro tempo, de novo Dagoberto foi derrubado na área. Desta vez Washington converteu.

Fortes emoções

No segundo tempo o Atlético começou mais atrás. O Vitória espremia o Furacão. Aos quatro minutos, Bruno Lança derrubou Edílson na "esquina" da grande área. Leonardo Gaciba, bem colocado, marcou o pênalti. O próprio artilheiro baiano bateu e a muralha atleticana, Diego, defendeu.

Foi o necessário para o Rubro-negro paranaense esquecer do jogo recuado e voltar a atacar. Aos dez minutos, Jadson cobrou uma falta com perfeição na cabeça de Fernandinho. Ele cabeceou no canto direito de Juninho que nada pôde fazer. Outras duas grandes chances com Jadson e Dagoberto foram criadas, mas os chutes saíram fracos, para desespero do técnico Levir Culpi. O Vitória recomeçou a gostar do jogo e empatou com Obina, numa boa jogada dentro da área do Furacão.

Depois disso a partida, assim como no jogo contra o Flamengo, voltou a ser um teste para cardíaco. Enquanto o Atlético abusava no direito de errar fáceis finalizações, o Vitória arriscava de longe. Faltando nove minutos para terminar o jogo, Washington disputou uma bola aérea dentro da área. Só que a zaga baiana agarrou o jogador pela cintura e uma nova penalidade foi marcada. Com personalidade, Washington fez o terceiro gol dele na partida e o 23º dele no Brasileirão, se isolando ainda mais na corrida pela artilharia do Campeonato.

Nos últimos minutos o Atlético ainda teve três chances de marcar o quarto gol e quase sofreu o empate numa cobrança de falta. A próxima partida do Atlético é no sábado, dia 30, na Arena da Baixada, contra o Atlético Mineiro. Nesta partida, os ingressos mais baratos já custarão R$20.

Saiba mais:
Análise do jogo, por Bruno Rolim

33ª rodada – Brasileiro – (29/09/04) – Vitória 2 x 3 Atlético
L: Barradão; H: 20h30; A: Leonardo Gaciba da Silva (RS); CA: Pingo (2′), Fernandinho (15′), Milton do Ó (17′), Alex Santos (20′), Tiago Matos (57′), Arivelton (80′) e Fabiano (89′); CV: Cléber (90+2′); P: 5.889; R: R$ 47.071,00; G: Edilson, aos 34, e Washington, aos 46 do 1°; Fernandinho, aos 10, Obina, aos 22, e Washington, aos 38 do 2°.

VITÓRIA: Juninho; Alex Santos, Milton do Ó, Felipe Saad e Paulo Rodrigues; Amaral (Tiago Matos 19′), Xavier, Arivelton (Gilmar 80′) e Cléber; Edilson (Allann Delon 67′) e Obina. T: Hélio dos Anjos.

ATLÉTICO: Diego; Fernandinho, Bruno Lança, Fabiano, Marcão e Ivan; Alan Bahia, Pingo (Raulen 84′) e Jadson (William 84′); Dagoberto e Washington. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…