26 out 2004 - 22h19

Sinal de alerta ligado

Mesmo com um esquema ofensivo e tentando pressionar o adversário, o Atlético não teve competência para marcar e foi derrotado por 2 a 0 pelo Goiás, em jogo disputado na noite desta terça-feira no Estádio Serra Dourada. Com as chances desperdiçadas (Raulen perdeu três e Denis Marques, uma muito clara), o Atlético escapou de levar mais gols no final do jogo, quando o Goiás mandou duas bolas no travessão.

O jogo começou muito veloz e aberto. As duas equipes criaram boas chances no início da partida. Logo aos 3 minutos, Rodrigo Tabata fez ótima jogada e lançou Leandro na esquerda. Ele cruzou, Diego não alcançou, mas ninguém apareceu para concluir. Menos de um minuto depois, foi o Atlético que quase marcou. Em ótima jogada, Jadson cruzou da esquerda, a bola passou por Denis Marques e chegou a Raulen, que chutou torto.

O Goiás ameaçou em chutes de Paulo Baier e Simão e o Atlético respondeu com Jadson. Aos 18, Simão passou por Jadson na ponta-direita e cruzou para a cabeçada perigosa de Tabata, que Diego mandou a escanteio. Logo depois, o Furacão fez sua melhor jogada na primeira etapa. Diego saiu jogando rápido com Jadson, que avançou até o campo de ataque e deu um lançamento preciso para Denis Marques. Ele invadiu a área, mas chutou para fora, perdendo uma chance muito clara de gol.

Comprovando que o jogo estava equilibrado, o Goiás devolveu aos 20 minutos. Asprilla foi ao ataque e cruzou para a área, mas houve desvio e a bola ficou parada na área. Depois de alguns segundos, a zaga atleticana bloqueou o chute de Tabata. Preocupado com o ritmo intenso do jogo, o técnico Celso Roth pediu aos seus jogadores que diminuíssem o ritmo e tocassem a bola.

O Atlético manteve o estilo veloz e, com isso, passou a ter mais posse de bola e a comandar as ações do jogo. Justamente quando era mais perigoso, o Rubro-negro acabou sofrendo o gol. Aos 32 minutos, Josué dominou bola no meio-campo, ajeitou sem ser atrapalhado e chutou forte, no canto esquerdo de Diego.

O gol acabou desanimando o Atlético, que passou cinco minutos sem criar uma jogada ofensiva sequer. Depois disso, o time retomou o ritmo anterior e quase empatou aos 45, quando Washington recebeu lançamento na área. De costas para o gol, ele girou sobre o zagueiro e chutou forte de pé esquerdo, mas Harlei fez boa defesa e mandou para escanteio.

Sentindo o próprio veneno

Mesmo com empenho, o Atlético não conseguiu criar chances nos primeiros minutos do segundo tempo. Fora um chute fraco de Alan Bahia, a equipe não ameaçou a meta de Harlei. Em compensação, o Goiás só não marcou por milagre aos 7 minutos. Alex Dias recebeu na direita e bateu cruzado. Diego desviou e a bola sobrou para Simão, que bateu livre, mas acertou o travessão. Em novo rebote, Marinho salvou de cabeça. Finalmente, Jadilson tentou e Diego ficou com a bola.

Logo em seguida, Denis Marques tabelou com Jadson na esquerda e cruzou para a área. Raulen chegou bem na bola, mas chutou na rede pelo lado de fora. Aos 9, Jadson tabelou com Raulen e o lateral chutou para fora, perdendo mais uma boa oportunidade para empatar. Preocupado, o técnico Levir Culpi sacou o zagueiro Fabiano e colocou o meia William em seu lugar, tentando deixar o time mais ofensivo.

Aos 25, Jadson e Denis Marques fizeram boa jogada pela direita e a bola sobrou para Raulen. No momento do chute, o lateral foi desarmado. Na cobrança de escanteio, Harlei furou a bola, mas Denis também não a alcançou. Mesmo pressionando, o Atlético não conseguiu marcar e acabou sofrendo com os contra-ataques esmeraldinos. Ou seja, o time experimentou justamente sua maior arma neste campeonato.

Aos 34 e aos 42, o Goiás novamente só deixou de marcar por milagre. Primeiro, foi William que salvou em cima da linha. Depois, Somália dominou na área e bateu no canto esquerdo de Diego, que fez a defesa parcial. Na sobra, Jorge Mutt chutou no travessão e a bola bateu em Somália e quase entrou, cabendo a Fernandinho salvar o Furacão.

Não deu tempo de o Atlético respirar. No minuto seguinte, Fernandinho foi driblado por Jadilson no lado direito da defesa e o cruzamento veio na medida para Somália se antecipar a Marcão e desviar para o gol, cujo lance foi muito parecido com o último gol do Palmeiras no jogo passado.

Ao final da partida, os jogadores lamentaram o resultado, mas garantiram que nada vai abalar o Atlético na luta pelo título brasileiro. "Infelizmente isso acontece. É um sinal que nós recebemos para ficarmos mais atentos", comentou o goleiro Diego.

Saiba mais sobre o jogo:
Análise de Goiás 2 x 0 Atlético, por Patricia Bahr

38ª rodada – Brasileiro – (26/10/04) – Goiás 2 x 0 Atlético
L: Serra Dourada; H: 20h30; A: Clever Assunção Gonçalves (MG); CA: Marinho (34′), Marcão (45+1′) e Josué (79′); P: 10.432; R: R$ 132.021,50; G: Josué, aos 32 do 1°; Somália, aos 43 do 2°.

GOIÁS: Harlei; Renato, André Dias e Asprilla; Paulo Baier, Simão, Josué, Rodrigo Tabata (Danilo Portugal 81′) e Jadilson; Alex Dias (Somália 65′) e Leandro (Jorge Mutt 81′). T: Celso Roth.

ATLÉTICO: Diego; Raulen (Morais 76′), Marinho, Fabiano (William 62′), Marcão e Ivan; Alan Bahia, Fernandinho e Jadson; Washington e Denis Marques. T: Levir Culpi.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…