28 out 2004 - 14h56

Opinião de Rogério Andrade

Rogério Andrade, colunista da Furacao.com, escreve sobre a trágica morte do zagueiro Serginho, do São Caetano:

Vazio
por Rogério Andrade

Lamentável o falecimento do profissional Paulo Sérgio de Oliveira Silva, o zagueiro Serginho do São Caetano. Creio que em momentos como estes, não há mais importância a rivalidade e por alguns dias deixaremos de lado a verdadeira competição do campeonato brasileiro. Desde ontem, a partir dos quinze minutos do jogo São Paulo x São Caetano em sua etapa complementar, concentramos nossos pensamentos e passamos a torcer de uma forma diferente, objetivando a vida de um profissional. Por alguns instantes, percebemos que aos poucos estávamos sentindo a perda de um jogador de futebol, diante do estado crítico e desagradável em que se encontrava Serginho. Aos poucos, o país inteiro voltava-se a um dos acontecimentos mais infelizes do futebol brasileiro dos últimos tempos. Falecia, às 22:45hs, aos 30 anos, no auge de sua carreira, um grande zagueiro do futebol nacional.

É neste momento que tentamos procurar respostas para tantas perguntas que a vida nos reserva. Nessas horas é que chegamos às mais diversas incertezas sobre a vida e sobre a morte. Só quem ama e venera o esporte mais querido do mundo chamado futebol, conhece a angústia e a tristeza da morte de um profissional deste ramo. De que vale nessas horas a euforia da vitória ou a ânsia da conquista? Qual é o filme que está passando na cabeça do torcedor do Atlético Mineiro, do mesmo torcedor que arremessou uma pedra na direção do jogador Fabão do São Paulo, acertando com precisão a cabeça do atleta, tentando assassiná-lo?

Espero que isto sirva de lição para o torcedor brasileiro em geral. Espero que a grande massa de torcedores dos mais diversos clubes possam valorizar, antes da rivalidade, a vida do ser humano que está dentro das quatro linhas. Que sirva como um basta para a violência nos estádios, que se tenha em mente que mais vale uma vida do que qualquer título ou qualquer conquista. E, por fim, que a imprensa paulista pare de tentar buscar culpados ou justificativas para o falecimento do atleta dentro do Morumbi.

Serginho se foi, pois chegou seu momento, assim decidiu o poder superior e, perante Ele, nada temos a fazer a não ser aceitar. Paulo Sérgio de Oliveira Silva morreu com dignidade, dentro de um espaço onde somente o próprio jogador sabia o que para ele significava. Morreu jogando futebol, seu grande prazer, por isso morreu sem dor, sem sofrimento, mas deixou um imenso vazio no grande cenário do futebol brasileiro.

Que Deus o tenha, que ilumine e dê forças aos seus próximos e que o filho de Serginho, de quatro anos de idade, esteja envolvido por todos os anjos da guarda de plantão.

Rogério Andrade é colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato com o colunista.



Últimas Notícias

Brasileiro

Cuidado!

  Foco na competição: No Brasileirão o Athletico ainda tem 11 jogos para disputar, o equivalente 33 pontos. Seis jogos em casa, cinco jogos fora.…

Notícias

O bom filho?

ANÚNCIO: Dia 01 outubro, um dia após vencer o Peñarol por 2 x 0, na Arena da Baixada e garantir presença na final da Copa…

Opinião

O Furacão voltou

Não podia ser num jogo qualquer… Nosso retorno para casa tinha que ser numa semi-final de Copa do Brasil, contra o badalado e protegido Flamengo,…