22 nov 2004 - 0h56

Análise do jogo Ponte Preta 2 x 3 Atlético

A colunista Patrícia Bahr analisou o jogo Ponte Preta 2 x 3 Atlético:

Análise de Ponte Preta 2 x 3 Atlético
por Patrícia Bahr

Agüenta coração! A quatro jogos do fim do Campeonato Brasileiro, os torcedores do Atlético terão emoções garantidas jogo-a-jogo. Contra a Ponte Preta, os atleticanos tiveram momentos de satisfação, nervosismo, entusiasmo, glória, sufoco e alma lavada! Sim, vencemos!!!! Conquistamos a 24ª vitória no Campeonato Brasileiro. Uma vitória sofrida e que colocou o nome do artilheiro Washington no topo dos principais goleadores da história do Brasileirão.

No primeiro tempo, o time do técnico Levir Culpi mostrou futebol de Furacão. Diante da assustada Ponte Preta, o rubro-negro impôs seu melhor jogo e criava as melhores oportunidades, abrindo 2 a 0 no placar. Em tarde inspirada, Fernandinho comandava as ações ofensivas. E o Atlético mostrava o porquê é o líder do Campeonato Brasileiro. Quando Jadson, Fernandinho, Washington e Denis conseguem trabalhar bem a bola, em contra-ataques rápidos e precisos, normalmente sai coisa boa. Foi isso o que aconteceu e "ao natural" o time desencantou.

Porém, no 2º tempo, o time recuou, a defesa apresentou algumas falhas permitindo que a Ponte encostasse no marcador. Foi aí que brilhou a estrela do atacante Washington, que numa cobrança de falta, entrou para a história do futebol ao marcar seu 32º gol na competição, maior artilheiro da história do Brasileiro. A partida, que parecia estar definida, tomou ares de dramática com o segundo gol da Ponte, em outra falha do sistema defensivo. E os minutos que separaram o gol da Macaca ao apito final do árbitro Carlos Eugênio Simon foram nervosos para o torcedor do Furacão. Nervosismo mais por conta da ânsia do torcedor de que a partida logo acabasse, do que pela pressão do adversário. Fim de jogo: 3 a 2 para o Atlético. Se não fomos brilhantes nos 90 minutos da partida, fomos eficientes. Continuamos dependendo só das nossas forças para ficar com a taça. Nesta reta final, não é preciso dar espetáculo mesmo. Basta vencer, vencer, ou vencer. E se conjugar o verbo da maneira correta, o título fica mesmo com o rubro-negro da Baixada. Só faltam quatro jogos.

Apesar de algumas falhas do sistema defensivo e do aparente cansaço que tomou conta do time no 2º tempo, qualquer outro destaque do jogo que fuja à marca histórica de Washington se transforma em injustiça. Por tudo o que passou, pela lição de superação que demonstra a todos a cada dia, ele já é um exemplo. Exemplo de profissional, de caráter, de determinação. Mais uma vez o departamento médico, a diretoria, os torcedores e todos aqueles que acreditaram na recuperação de Washington saíram vencedores de campo. 32 gols marcados neste Campeonato Brasileiro. Gols que contribuem com a belíssima campanha do Atlético na competição. Washington mostra que tem brilho e que tem estrela. Ingredientes capazes de fazer com que a outra estrela, a segunda estrela dourada no peito, fique mais perto da Baixada. Obrigada, Washington, e parabéns!!!!!

Patrícia Bahr é colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato com a colunista.



Últimas Notícias

Notícias

Jogador de meio tempo ?

Contratado no mês de maio Mais precisamente no dia 22/05. O meia David Terans foi anunciado como o novo reforço do Athletico. O jogador pertencia ao…

Notícias|Opinião

Arquibancada

Quem me conhece há mais tempo já me ouviu dizer que “a arquibancada é que é o meu lugar”. Para além do sentido literal, do…