29 nov 2004 - 10h30

Análise do jogo Grêmio 3 x 3 Atlético

O colunista Bruno Rolim analisou o empate do Atlético contra o Grêmio, em Erechim:

Análise de Grêmio 3 x 3 Atlético
por Bruno Rolim

Um grande vacilo. Assim se pode resumir a derrota de ontem para o Grêmio.

Derrota? Sim, apesar do placar ter mostrado uma igualdade em 3 gols, a sensação para toda a torcida atleticana foi a de uma derrota, pelo que o Atlético mostrou durante a partida no Colosso da Lagoa, em Erechim.

No primeiro tempo, o Atlético jogou com calma, sabendo esperar o Grêmio. Apesar da maior posse de bola gremista, as maiores chances foram do Atlético: no início, em um lance de Washington, Fernandinho quase abriu o placar. Pouco tempo depois, em um bela arrancada de Dênis Marques, e uma tabela com Jadson, a bola sobrou para o atacante, em posição legal, tocar na saída de Márcio, abrindo o placar para o Furacão.

O Grêmio não teve tempo para se recobrar quando, cinco minutos depois, Washington fez boa jogada pela direita e tocou para Fernandinho, livre, marcar o segundo gol. Uma vitória atleticana se delineava, e com o empate do Santos, o título estava ficando mais próximo. Ainda houve tempo para mais duas chances perdidas, com Jadson e Washington, em belas defesas do goleiro Márcio.

O segundo tempo começou um pouco diferente, com o Grêmio mais ofensivo, tentando diminuir o placar. Mas quem marcou foi o Atlético, em uma falta cobrada por Jadson e escorada de cabeça por Fernandinho, fazendo o terceiro gol do Atlético. Após o terceiro gol, o Atlético pressionou o Grêmio durante cerca de 10 minutos, perdendo muitas chances de ampliar – a maior delas em uma cabeçada na trave de Washington.

Até que, em uma jogada isolada, o Grêmio diminuiu o placar, em um lançamento para Roberto Santos. Este gol mudou completamente a partida, pois o Atlético mudou seu comportamento, passando a apenas se defender. O Grêmio começou a pressionar, mas de forma extremamente desordenada, o que pode ser visto pelo número de chances criadas pelos gremistas nos 20 minutos finais: duas.

Estas duas chances acabaram sendo fatais para o Atlético. Aos 44 minutos, Baloy diminuiu o placar para o Grêmio, aumentando o nervosismo dos torcedores do Atlético. Quando o árbitro Wagner Tardelli acenou com dois minutos de acréscimo, muitos torcedores ficaram aliviados, pois seria difícil o Grêmio empatar nesse período. Mas o que era visto como impossível, aconteceu: em um lançamento para a área, aos 46 minutos e 20 segundos, Cláudio Pitbull cabeceou, sem chances para Diego, calando a torcida atleticana e causando uma comemoração intensa dos jogadores do Grêmio – que acabaram por calar o Atlético, que parecia considerar a vitória ganha.

O Grêmio caiu, mas mostrou muita raça e vontade. Raça que o Atlético precisará mostrar nestes 270 minutos que faltam para o fim do campeonato. Como disse a companheira de colunas Patrícia na análise do jogo contra a Ponte Preta, "os torcedores do Atlético terão emoções garantidas jogo-a-jogo". Nada para o Atlético parece ser fácil. Mas só faltam três partidas agora, que venha o Azulão!

Saudações atleticanas!

Bruno Rolim é colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato com o colunista.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…