29 nov 2004 - 11h40

Opinião de Sérgio Tavares Filho

O colunista e editor do site Furacao.com, Sérgio Tavares Filho, compara o empate do Atlético com a semifinal olímpica de vôlei feminino, disputado entre Brasil e Rússia.

Equivalentes
por Sérgio Tavares Filho

Havia três meses que não sentia o mesmo gosto amargo. Saí do Estádio Colosso da Lagoa como se reprisassem a semifinal olímpica entre Brasil e Rússia, pelo vôlei feminino. Com o jogo nas mãos, as brasileiras não tiveram preparo psicológico para fazer um pontinho e lutar pela medalha de ouro contra a China. Isso com cinco match points ao seu favor. O Atlético jogou pela janela a vantagem de poder queimar uma gordura contra um dos próximos três adversários, São Caetano, Vasco e Botafogo. Os quatro pontos que o distanciariam do Santos, podiam servir para o Rubro-negro levantar a taça de bicampeão já no domingo que vem, na Arena. Bastaria uma vitória e um novo tropeço santista. Mas, como sempre, todas as conquistas do Furacão são sofridas.

Por incrível que pareça a rodada terminou melhor do que começou. Em brilhante análise através de um e-mail aos colaboradores do site Furacao.com, o amigo Marçal Justen Neto explicou: "O desespero agora é do Santos. Restavam quatro jogos e a vantagem de dois pontos era do Atlético. Os mesmos dois pontos continuam só que o número de partidas para o fim do Campeonato Brasileiro diminiu. São só três".

Mesmo assim, ainda não dá pra esconder a pontinha de decepção do resultado de ontem, mas a realidade é que continuamos muito perto de bordar mais uma estrela dourada no nosso peito. A preocupação é de nossos adversários. A mandinga deles tem que ser mais forte do que os nossos anjos protetores. E, ao contrário de Mari, Virna, Fofão, Érika e do treinador Zé Roberto, que andam escanteados pela imprensa, Washington, Denis Marques, Jadson, Fernandinho, Levir Culpi e até mesmo Igor, serão muito bem falados e lembrados por conquistarem um novo título nacional ao Atlético Paranaense.

Em tempo: os jogadores do Grêmio mandaram a torcida do Atlético calar a boca em Erechim. No fim do jogo os atletas mais procurados eram os do tricolor. Esqueci meu radinho em Curitiba, mas alguém pode me confirmar o que eles falaram? Seria algo sobre o calendário de 2005, quando enfrentarão potências pela segundona?

Sérgio Tavares Filho é editor e colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato com o colunista.



Últimas Notícias

Opinião

O Furacão voltou

Não podia ser num jogo qualquer… Nosso retorno para casa tinha que ser numa semi-final de Copa do Brasil, contra o badalado e protegido Flamengo,…

Sul-Americana

Confira como ir ao Uruguai

Logo após a classificação diante do Peñarol pelas semifinais da Sul-americana 2021, a enorme procura dos torcedores pelas passagens aéreas de Curitiba a Montevidéu acabou…