O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
30 nov 2004 - 22h25

Diálogo possível

– Cara! Não acredito. Dois a zero pra eles. Perdemos a vantagem de estar na frente do Santos.
– Calma. A gente vai virar, você vai ver só. Vou pegar uma cerveja e já volto.
– Cerveja? Aqui não estão vendendo cerveja.
– Como não? Aqui é campo de futebol ou reunião das freiras carmelitas?
– É futebol. Mas pediram pra não vender hoje porque podia dar confusão.
– Confusão de quê? De mais um copo no gramado? Choco-milk e cerveja fazem o mesmo estrago na cabeça do caboclo.
– Choco-milk. Isso mesmo. Traz um pra mim.
– Não acredito. O time perdendo de dois a zero e você quer um choco-milk?
– Traga lá e não encha mais o saco.
– Não vou mais. Agora vou ficar aqui vendo aquela loira.
– Onde?
– Bem na sua frente.
– Caracas. Aquela ali é a filha do Dirceu.
– Qual Dirceu?
– Aquele babaca que nos garfou em 1987 contra a Platinense.
– Porra! Como você lembra disso?
– Memória de elefante.
– E cérebro de arara.
– Quer um sorvete?
– Não. R$2,50 por um picolé é uma roubalheira.
– A filha do Dirceu vai comprar um de limão. Olha que lindo.
– Ei! O time tá voltando dos vestiários.
– Do vestiário. Afinal, é um vestiário só.
– Por que você não vai à merda?
– Se a filha do Dirceu for, eu vou junto.
– Que horas são?
– 17h04.
– Tá na hora de começar o segundo tempo.
– Por que a pressa? Precisa ver a novela das 6?
– Porra. Mas você tá chato hoje, hein?
– Sim. Venho ao estádio, meu time tá perdendo de dois a zero, não posso beber cerveja, meu amigo quer choco-milk e a filha do Dirceu não olha pra trás. Você quer que eu fique alegre?
– Sente e pare de reclamar. Começou o segundo tempo.
– Cadê o cara da pipoca?
– Tem na praça de alimentação.
– Não quero ir buscar. Vai pra mim.
– Sossega aí que já vai sair o gol.
– Jogo chato. Perdemos o título em Erechim. Se não fosse aquele empate…
GOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL
– Beleza. Era isso que a gente precisava. De um golzinho no começo do segundo tempo.
– É. Até concordo. Mas continuo com fome e sede.
– Calma.
– Olha. A filha do Dirceu veio sozinha ao jogo. Não tem ninguém com ela.
GOOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL
– Que tesão! Dois a dois.
– Tesão é a filha do Dirceu.
– A gente vai virar, você vai ver só.
– Olha. A menina tá saindo. Acho que ela vai ao banheiro. Vou atrás.
– Meu Deus do céu. Que velho ridículo.
– Espera. Ataque nosso.
GOOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL
– Falei que a gente iria virar, cara?
– Bicho. Vamos ser campeões.
– Agora eu tô confiante.
– No titulo?
– Também.
– Também?
– É.
– Como também?
– Confio também que aquela vaca da filha do Dirceu estava agorando o time. Coxa-branca lazarenta. Mas um dia eu dou uns amassos nela. Pode crer.



Últimas Notícias