30 nov 2004 - 11h39

Opinião de Ricardo Campelo

O colunista da Furacao.com, Ricardo Campelo, questiona algumas avaliações sobre o atual momento do Atlético no Brasileiro:

Atlético está vivo?
por Ricardo Campelo

Cheguei em casa ontem e sintonizei o Sportv, que transmitia o final do programa "Bem, Amigos", apresentado por Galvão Bueno, e que contava com a presença do ex-jogador atleticano Barcímio Sicupira. Sicupira estava ali como uma pessoa que conhece de perto o Atlético, para, assim, passar informações aos demais participantes do programa e ao telespectador do Brasil inteiro.

Na hora da despedida, Galvão perguntou ao ex-jogador: "E aí, o Atlético vai ser campeão?", ao que Barcímio respondeu: "O Atlético ‘tá vivo’".

Essa expressão me deixou incomodado. Acredito que houve uma falha de expressão do craque atleticano, que não quis dizer isso. O fato é que "está vivo" não representa o momento do Atlético no campeonato. Quem "está vivo" é o Santos, o São Paulo, o São Caetano… o Flamengo "está vivo" na briga para permanecer na primeira divisão. Para o Atlético, essa expressão não faz sentido.

O Atlético é o líder do campeonato, com dois pontos de vantagem. Está bem mais do que "vivo". Está muito perto do título, e é o único time que depende apenas de seus próprios resultados para alcançá-lo. Temos a vantagem de jogar em casa a partida teoricamente mais difícil, contra o São Caetano, assim como o jogo final, contra o Botafogo. Tudo está a favor do Atlético.

Tenho medo que esse clima de "está vivo" contagie jogadores e comissão técnica. O tropeço em Erechim foi algo realmente lamentável, mas não é hora de se abalar. O pensamento não deve ser "deixamos de abrir vantagem maior", mas sim "mesmo com o empate, ainda estamos na frente"!.

Que o revés em Erechim (definido muito bem pelo comentarista Paulo César Vasconcellos como uma "proeza") sirva de lição. O time visivelmente achou que o jogo estava ganho, e relaxou. Ademais, a zaga está mostrando falhas preocupantes. No primeiro gol do Grêmio, houve falha geral de posicionamento. No segundo, Rogério bobeou feio, embora tive a impressão também de que Diego poderia ter saído da meta. No terceiro e decisivo gol adversário, o atacante gremista conseguiu fazer o mais difícil, que seria sair do chão de lado para a bola, saltar, e cabecear em direção à meta atleticana. Enquanto o inepto zagueiro Igor não conseguiu fazer o mais fácil: simplesmente encostar na bola, ou tão somente impedir que o adversário encostasse. Além disso, faltou combate do meio-campo atleticano sobre o jogador que fez o cruzamento.

Tudo isso tem que ser trabalhado nessas três últimas rodadas, para que as falhas não ocorram mais. Mas o clube também tem que ter consciência de que ofensivamente está no caminho certo, e que se repetir o aproveitamento que teve até agora, o título não irá escapar.

Acreditemos todos neste título. Temos motivos de sobra para isso.

Ricardo Campelo é colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.

Entre em contato com o colunista.



Últimas Notícias

Notícias

Jogador de meio tempo ?

Contratado no mês de maio Mais precisamente no dia 22/05. O meia David Terans foi anunciado como o novo reforço do Athletico. O jogador pertencia ao…

Notícias|Opinião

Arquibancada

Quem me conhece há mais tempo já me ouviu dizer que “a arquibancada é que é o meu lugar”. Para além do sentido literal, do…