23 jan 2005 - 11h32

Chance de ouro

Uma boa campanha no Paranaense requer um bom entrosamento de jogadores e comissão técnica, e nada melhor do que um time em que os atletas jogam juntos desde as categorias de base. Melhor ainda se o técnico também é o mesmo. No Atlético, Lio Evaristo já treinou seis dos onze titulares que disputam neste domingo a segunda partida da equipe no Campeonato Paranaense, contra o Francisco Beltrão, na Arena da Baixada. O convívio durante alguns anos faz com que os atletas sintam-se mais confortáveis para jogar sob o comando de Lio, mas isso não quer dizer que eles sejam menos cobrados do que os jogadores novos. "Ele tem a filosofia de trabalho dele. Ele cobra de todo mundo, mas com a gente ele tem mais intimidade do que com o pessoal que está chegando agora. Às vezes ele fala mais forte", comentou o volante Bruno Lança, que conheceu o treinador há três anos, quando chegou ao time júnior e que hoje é o capitão da equipe. O comandante tem opinião muito parecida. "Para mim é mais tranqüilo, fico mais seguro porque são jogadores que eu já conheço, mas os jogadores que chegaram também tiveram uma boa aceitação da comissão e me receberam de braços abertos", afirmou Lio.

Já o atacante Dinei destaca a chance que recebeu de Lio, já que retornou de empréstimo no início do ano e não estava nos planos do clube para o time principal. "A oportunidade que ele está dando é muito importante para seguir em frente no profissional. Acho que por eu já ter jogado com ele estou recebendo essa chance e quero dar o máximo para poder dar alegrias à torcida", disse. A mesma oportunidade recebeu o lateral-direita Murilo, que está no Atlético há sete anos e que há três jogava com Lio. Na estréia do time no Campeonato Paranaense, na última quinta-feira, quem assumiu a posição foi André Luiz, mas o jogador não fez uma boa partida. Com isso, o treinador optou por colocar Murilo na vaga, uma chance que o lateral esperava desde o ano passado, quando começou a treinar entre os profissionais. "Eu acho que facilitou o fato de já ter jogado com ele, mas se eu não tivesse mostrado um bom futebol desde que cheguei nos juniores e não tivesse conquistado a confiança dele, eu não estaria onde eu estou hoje", afirmou Murilo, que diz estar seguro para a sua estréia como jogador profissional. "Eu estou confiante porque estarei jogando com o Ticão, o Bruno Lança, o Alessandro Lopes, que eu conheço desde o time júnior e eles dão apoio para minha estréia", revelou.

No ano passado, Alessandro Lopes pôde estrear como profissional, mas a infeliz idéia do ex-técnico Mário Sérgio de colocá-lo como lateral, justamente nas finais do campeonato Paranaense, contra o Coritiba, alterou um pouco o rumo de sua carreira. O zagueiro não conseguiu repetir as atuações de quando jogava em sua posição original e acabou voltando a disputar partidas pelos juniores. O fato de Lio assumir o time agora facilitou a sua volta ao time profissional. "Ele já sabe o meu jeito de jogar e eu sei o que ele gosta que eu faça dentro de campo", falou Alessandro que acha Lio diferente dos outros técnicos. "Alguns treinadores falam muito pouco, ele não. Ele fala mais, cobra mais e sempre está determinado, com vontade, em nenhum momento tem preguiça então a diferença dele é essa", explicou o jogador, que conhece Lio há dois anos.

Experiência

Estar no Atlético desde as categorias de base resulta em experiência. O volante Bruno Lança afirma que todo mundo amadureceu com a promoção para o profissional. "Todos evoluíram bastante, tanto o Lio quanto nós jogadores. Todos estão bem mais maduros e tranqüilos", analisou. O técnico acha que boa parte do amadurecimento dos garotos deve-se ao fato de terem treinado o ano passado com Levir Culpi. "Eles amadureceram bastante, trabalharam praticamente o ano todo com o Levir", contou o técnico que afirmou que agora a responsabilidade desses jogadores aumenta. "A única coisa que modifica é a responsabilidade, a cobrança, porque nos juniores tem a cobrança só do técnico e no profissional tem a cobrança do técnico, da torcida, da direção e da imprensa então eles têm que estar preparados para tudo isso", disse Lio, que fez questão de conversar com os jogadores sobre a oportunidade dada a todos pelo clube. "Eu conversei com eles a respeito disso. Pra eles é uma oportunidade como a que está sendo dada para mim e todos nós temos que procurar agarrá-la Conversei bastante para que nós não fechemos as portas, temos que procurar abrir mais portas", finalizou.

A segunda partida do Atlético neste Campeonato Paranaense acontece na tarde deste domingo na Arena da Baixada, às 16h, quando o Rubro-negro enfrenta o Francisco Beltrão. Com uma baixa no elenco, o volante Jairo levou uma pancada no joelho e está fora, o técnico Lio Evaristo modificou a equipe. Além de colocar Ticão para jogar no lugar do volante machucado, Lio colocou o lateral-direita André Luís no banco e, em seu lugar, joga o também lateral Murilo, que pela primeira vez pisa no gramado da Arena para jogar como profissional da equipe. Com as duas mudanças, o time entra em campo com Tiago Cardoso; Murilo, Alessandro Lopes, Tiago Vieira, Durval e Badé; Bruno Lança, Ticão e Morais; Jorge Henrique e Dinei.

Reportagem: Julia Abdul-Hak

2ª rodada – Paranaense – (23/01/05) – Atlético x Francisco Beltrão
L: Arena da Baixada; H: 16h; A: Antonio Denival de Moraes (PR).

ATLÉTICO: Tiago Cardoso; Murilo, Alessandro Lopes, Tiago Vieira, Durval e Badé; Bruno Lança, Ticão e Morais; Dinei e Jorge Henrique. T: Lio Evaristo.

FRANCISCO BELTRÃO: Cássio; Edivaldo, Nogueira, Mateus e Gilcimar; João Bahia, Dino, Jean e Jeferson; Alex Franco e Vanderlei. T: Rui Scarpini.



Últimas Notícias

Brasileiro

Libertadores, estamos chegando!

Na Arena da Baixada, o Athletico enfrentou o Botafogo pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2022. Dependendo somente das suas forças para garantir presença…