20 fev 2005 - 13h30

Folha destaca brasileiros do Shakhtar

A Folha de S. Paulo veiculou neste domingo uma reportagem de uma página sobre a ação do clube ucraniano Shakhtar Donetsk, que recentemente contratou os brasileiros Ivan, Jadson e Elano e negocia com Fernandinho. Confira a matéria:

Brasil faz Ucrânia sonhar com a Europa
por Luís Ferrari

Depois dos petrodólares da Arábia e dos dólares ao molho shoyu do futebol japonês, os jogadores brasileiros acharam outra fonte de renda: os dólares congelados do Shakhtar Donetsk.

Só neste ano, o time ucraniano, que tem apenas cinco atletas locais no elenco, gastou R$ 51,9 milhões e contratou Elano (do Santos), Jádson e Ivan (do Atlético-PR), elevando para seis o número de brasileiros. Negocia, ainda, com Fernandinho, destaque do time paranaense no Brasileiro-04.

As contratações fazem parte de um projeto de inserção do clube entre as principais forças do futebol europeu. Além dos reforços, o Shakhtar investe na construção de um estádio, que promete ser o mais moderno do continente.

Fundado em 1936, o time de uniforme laranja, tradicionalmente considerado a "equipe dos mineiros", só saiu da sombra do Dynamo de Kiev a partir de 1996, graças ao dinheiro de um investidor que, entre outros negócios, é dono de minas de carvão.

Foi naquele ano que o investidor Rinat Akhmetov, um dos homens mais ricos da Ucrânia, tornou-se presidente do clube.

Além de construir um centro de treinamento, reformar três vezes o estádio do clube e dar início à construção da nova arena, Akhmetov passou a investir em jogadores e treinadores estrangeiros.

O primeiro retorno foi a classificação inédita para a Copa dos Campeões de 2001, feito que o clube repetiu na temporada passada.
Teve azar ao cair no grupo de Barcelona e Milan, mas terminou em terceiro e garantiu a vaga nos mata-matas da Copa da Uefa. Na semana passada, empatou em 1 a 1 com o Shalke 04 e, na próxima quinta, tenta ir às oitavas-de-final.

O autor do gol no jogo de ida foi o paulistano Brandão, o "embaixador" do país no clube, onde está desde 2002. Até a chegada do técnico romeno Mircea Lucescu, no meio do ano passado, ele era o único brasileiro do elenco.

Desde então, desembarcaram em Donetsk os meias João Batista e Matuzalém, além dos reforços que acabaram de chegar.

A invasão brasileira tem o dedo do treinador, que além da seleção de seu país já comandou a Inter de Milão. Na apresentação dos três brasileiros, ele explicou o interesse nos atletas do país.

"No ano passado, eu e o presidente discutíamos como fazer o time melhorar. Em julho, colocamos a idéia em prática, seguindo de perto o Campeonato Brasileiro. Queríamos atingir o nível de times como Barcelona, Real Madrid e Milan. Necessitávamos de jogadores técnicos, como os brasileiros. Nos concentramos nos mais jovens, em ação pelos dois melhores times. Eles trarão um avanço fundamental ao nível técnico do Shakhtar", disse o treinador, que espera ter o futebol de Fernandinho após a Libertadores.

João Fleury da Rocha, presidente do conselho gestor do vice-campeão brasileiro, diz que está "em tratativas" com o clube ucraniano, mas que o negócio ainda não está fechado, contrariando informação do site da Uefa.

"Há uma confiabilidade recíproca entre o Atlético-PR e o Shakhtar, que foi muito ético nas negociações anteriores. Conhecemos as instalações do clube, que é idôneo", conta Rocha, para quem o Shakhtar caminha rumo ao primeiro mundo do futebol.

Se chegar lá, além de conhecida como a cidade de Sergei Bubka, maior atleta da história do salto com vara, Donetsk será famosa por seu futebol, "brasileiro".



Últimas Notícias

Opinião

PlaneJUMENTO

Antes de tudo, dar os devidos créditos ao @fabiangarrett93 que cunhou tal termo no Twitter sendo de uma felicidade incrível pois ilustra perfeitamente aquilo que…