25 abr 2005 - 17h24

Análise do jogo Atlético 0 x 1 Ponte Preta

Análise de Atlético 0 X 1 Ponte Preta
por Juarez Villela Filho

“Pau que nasce torto, nunca se endireita.” O velho dito popular pode perfeitamente se aplicar ao Atlético, na questão do planejamento, ou da falta dele, em 2005. Após uma série incrível de erros nas contratações, o Atlético foi obrigado e improvisar na partida de ontem e perdeu diante da fraca Ponte Preta. A lição que Luxemburgo deixou ano passado parece ainda não ter sido absorvida, já que a primeira e a última rodada valem os mesmos 3 pontos na competição. E perder pontos em casa para um dos fortes candidatos ao rebaixamento é dose!

A partida começou mal e antes mesmo do gol campineiro já era possível sentir um clima de que havia coisa estranha no ar. A defesa sem ter um zagueiro de espera, jogando em linha contra apenas um atacante adversário era um convite ao contra ataque. E numa falha individual o rubro-negro pagou o preço da incompetência.

As alas estavam em franca desvantagem em relação ao adversário, enquanto Tição estranhamente errava muitos fundamentos e Alan Bahia se viu obrigado a ajudar na armação, já que o risível Jorge Henrique mostrou que o Atlético é grande demais para seu futebolzinho. E a torcida pediu raça, mas a meu entender isso não faltou, nem espírito de luta e combate. Tecnicamente o time atleticano de ontem era muito fraco, tão frágil como a Ponte Preta que ao menos tem um treinador que conhece o elenco que tem.

As chances foram raras e a Macaca ainda arrematou um chute no travessão atleticano, além de obrigar Diego a fazer outras duas boas intervenções. Longe de ser uma catástrofe, o resultado de ontem deve servir de lição que um time, que adora de auto intitular como o mais moderno, mais bem administrado do país, consiga ajeitar o departamento de futebol e errar menos nas contratações. Nosso time principal é bom, mas não é uma máquina, o time reserva é meia boca e o de ontem um time “C” perde pro meu time do bairro!

EM ALTA: Diego foi um dos poucos que se salvou. Leandro também mostrou qualidades e pode brigar pela condição de titular.

EM BAIXA: o “gênio” que contrata Cleversons, Tavares, Simões, Jorge Henriques da vida. Não é possível errar tanto!

Juarez Villela Filho é colunista da Furacao.com. Clique aqui para ler outros textos de sua autoria e entrar em contato.

O conteúdo da opinião acima é de responsabilidade exclusiva de seu autor e não expressa necessariamente a opinião dos integrantes do site Furacao.com.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…