19 maio 2005 - 16h26

A força das arquibancadas

"Eu vim pra vencer…. só eu sei, porque eu não fico em casa!". E nesta quinta-feira, todos os atleticanos que saírem de suas casas rumo à Kyocera Arena têm a missão de ser o 12º jogador em campo, ajudando de todas as maneiras para que o Atlético vença o Cerro Porteño e reencontre o caminho das vitórias.

Nos dias que antecederam o confronto que está sendo visto como o mais importante da história do clube – afinal, uma vitória deixará o Atlético muito próximo de ser um dos oito melhores times da América Latina – a Furacao.com ouviu personalidades e grandes ídolos do Atlético tentando decifrar a seguinte questão: qual é a importância da torcida para os trunfos do time?

A resultado foi unânime. A torcida atleticana tem sim participação fundamental nas vitórias e conquistas. Portanto, nesta partida decisiva da Libertadores, será tão protagonista quanto Diego, Marcão, Alan Bahia, Lima ou Fabrício. "Nós precisamos da torcida como incentivadora, para que o grupo possa se recuperar. Temos a chance de conseguir o que nenhuma equipe paranaense conseguiu: passar para as quartas-de-final da Libertadores da América", afirmou o psicólogo do Atlético, Gilberto Gaertner.

A promessa é de que apoio não faltará e que nos 90 minutos da partida todas as energias estarão canalizadas para fazer o Atlético vencedor. A Torcida Organizada Os Fanáticos promete apoio integral ao time. Um ato que vem de encontro ao pensamento do ex-presidente da entidade, José Carlos Belotto. "A torcida deve ter o pensamento agora voltado para a instituição do Atlético Paranaense acima de tudo, pois é o que nós tanto amamos. A torcida precisa se conscientizar que as manifestações contra o time não prejudicam apenas ele, mas podem colaborar com o adversário. É preciso empurrar do começo ao fim, pois o mais importante é o apoio nos momentos difíceis também, não só quando tudo está mais fácil", disse.

Ex-atletas também pedem apoio

Para antigos craques do Furacão de diferentes épocas, a idéia de que a torcida deve deixar mágoas de lado para o bem do time também é compartilhado. Segundo os ex-jogadores do clube que são motivo de orgulho da nação atleticana, é hora de se fechar um pacto para o melhor do próprio Atlético:

"Espero que a torcida, como passional, vá com a intenção de torcer. Que eles incentivem o Atlético a apresentar um futebol condizente com as suas tradições. Que eles incentivem mesmo a equipe indo mal, porque, quanto mais incentivar, mais os jogadores vão querer acertar. Eles só crescerão dentro de campo se a torcida acompanhar junto." – Alfredo Gottardi (ex-zagueiro do clube nos anos 60 e 70)

"A torcida não pode nunca abandonar o time, porque assim vai afundar aquilo que sempre apoiou, sempre acreditou e o time vai afundar junto. Jamais deve-se ferir o time, tentando ferir o dirigente. O clube pertence ao torcedor. O dirigente é efêmero. O clube, a instituição Atlético é eterna." – Jackson Nascimento (ex-meia-esquerda, integrante do Furacão de 49)

"Já vi de perto a força que tem a torcida atleticana, então que eles vão ao jogo para apoiar o time. Durante o jogo, os jogadores precisam de apoio para terem mais confiança. No momento da partida, esqueçam as diferenças, porque o que está em jogo é o futuro do Atlético." – Washington (atacante do time vice-campeão Brasileiro de 2004)

"Os jogadores sentem a vibração positiva no ar e muitas vezes correm mais motivados do que com um estádio vazio. A torcida sempre ajudou, o Caldeirão é demais. A motivação da torcida, o barulho na hora de um lance importante e a vaia sobre uma interpretação errada do juiz, fazem parte do futebol tanto quanto a paixão, a camisa." – Paulo Rink (atacante do time Campeão Brasileiro da Série B, em 1995)

"O Atlético é maior do que qualquer pessoa. A instituição Atlético é imortal. O torcedor tem que entender que essa guerra com a diretoria não leva a lugar nenhum. O importante agora é que o time tenha a torcida junto, incentivando." – Sicupira (maior artilheiro da história do Atlético, com 154 gols assinalados)



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…