24 jun 2005 - 9h34

Atleticano conta como foi comemorar em Guadalajara

O desenhista gráfico Marcelo Adriano Crepaldi viveu uma emoção única na noite desta quinta-feira. Ele não pôde ir à Kyocera Arena para acompanhar de perto a vitória do Furacão sobre o Chivas Guadalajara por 3 a 0, assim como fizeram mais de 23 mil atleticanos fanáticos. Não foi por falta de vontade ou por não ter conseguido ingresso. É que Crepaldi mora fora do Brasil e reforçou a torcida atleticana no exterior. Depois da partida, a Furacao.com recebeu mensagens de atleticanos que moram nos Estados Unidos, Austrália, Itália e Chile.

Mas a sensação que Marcelo Crepaldi viveu ontem foi especial. Ele mora em Guadalajara, no México, e teve a oportunidade de comemorar a vitória em plena casa do inimigo. A cidade, que tem mais de quatro milhões de habitantes, é praticamente formada por torcedores do Chivas e todos pararam para acompanhar o jogo de ontem. Marcelo optou por assistir ao jogo em um restaurante brasileiro, acompanhado por sua esposa e por outro atleticano. Apesar da torcida pequena, a festa não foi menor do que a da Baixada.

"Quando saíram os gols éramos os únicos a quebrar o silêncio de quase 400 pessoas. Víamos que alguns mexicanos nos comiam com os olhos, mas fomos superiores em campo e eles não suportaram a pressão do Calderón del Diablo", comentou. Marcelo explicou ainda que os torcedores do Chivas costumam comemorar as vitórias em um local chamado "La Minerva", uma grande rotatória em um ponto central de Guadalajara. "La Minerva estava silenciosa, imponente como todos os dias, com as águas jorrando, mas não tinha nenhum torcedor festejando, só eu e minha esposa morrendo de felicidade por dentro", diz.

Marcelo escreveu um texto para o Fala, Atleticano sobre a emoção de comemorar a goleada na casa do inimigo. Clique aqui para ler.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…