30 jun 2005 - 16h31

Técnico ainda não sabe se escalará os "selecionados"

A despeito de todo o esforço para contar com o goleiro Oswaldo Sánchez, o zagueiro Carlos Salcido, o lateral Ramón Morales e o meia Alberto Medina, o técnico do Chivas Guadalajara, Benjamin Galindo, ainda não sabe se escalará todos como titulares para a partida desta quinta-feira à noite contra o Atlético, pela semifinal da Libertadores. Os atletas chegaram muito cansados depois de muitas horas de viagem. Eles desembarcaram às 5h15 da manhã desta quinta-feira no Aeroporto de Guadalajara, a apenas 15 horas do início da partida.

Galindo revelou que conversará com os quatro atletas da seleção mexicana para saber deles se estão em condições de jogar contra o Furacão. "Todos são muito experientes e podem dizer se estão prontos para jogar ou não. Dependerá da conversa que terei com eles. O único que está descartado é Corona, porque já tenho dois goleiros: Talavera e Oswaldo", disse o treinador do Chivas.

O mais provável é que o goleiro Oswaldo Sánchez seja escalado titular. Quanto aos outros três, dependerá de uma avaliação antes do jogo, mas dificilmente todos começarão o jogo. O zagueiro Carlos Salcido jogou durante todo o tempo contra a Argentina e a Alemanha, pela Copa das Confederações. Como os dois jogos foram para a prorrogação, isso significa que ele atuou por mais de 250 minutos entre domingo e quarta-feira. Além disso, enfrentou a longa viagem de Leipzig para Guadalajara. Por isso, dificilmente suportará os 90 minutos. O lateral-esquerda Ramon Morales sofreu uma contusão no jogo contra a Argentina e também não está na forma ideal. Ele sente dores na perna esquerda. Além disso, a mudança de fuso-horário pode causar algum inconveniente para os atletas recém-chegados da Alemanha.

Os colegas que jogaram a primeira partida não apostam muito na presença dos "reforços". "Acho que não terão condições de jogar. Eles vêm de uma viagem longa, jogaram tempos extras, então não estarão em uma forma física muito boa", afirmou o meia Manuel Sol, opinando sobre as condições dos companheiros.

Mesmo assim, Galindo entende que não pode abrir mão de Sánchez, Medina, Salcido e Morales, ainda que não possa contar com eles durante todo o jogo. "Eles me dão mais confiança. Sei que se puderem jogar 15, 20 minutos ou meia hora vão fazer com muita garra e força de vontade. Eu seria um tonto se não os utilizasse, afinal estamos dando nossa última carta", observou o treinador.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…