14 out 2005 - 14h56

História: o Atletiba da Gripe

Às vésperas do clássico Atletiba do segundo turno do Campeonato Brasileiro, a Furacao.com relembra uma série de jogos que ficaram famosos na história do confronto. O segundo texto da série é a história do famoso Atletiba da Gripe, de 1933, jogo que forjou a alma de raça dos atleticanos. Confira:

Atletiba da Gripe
por Julia Abdul-Hak, da Furacao.com

Todos sabem que o clássico Atletiba sempre foi marcado pela rivalidade. Nunca um dos clubes deu o braço a torcer em favor do outro. Foi justamente isso que aconteceu em maio de 1933. O jogo entre Atlético e Coritiba estava marcado pelo primeiro turno do Campeonato Paranaense.

Alguns dias antes, seis jogadores titulares do Atlético não estavam em condições de disputar a partida, alguns por gripe, outros por contusão. Assim, o presidente atleticano Eugênio Vianna foi até o Belfort Duarte para negociar uma alteração na data da partida. Prevendo uma vitória, os diretores do rival Coritiba não aceitaram a proposta, pensando em tirar vantagem da situação. Com isso, os atleticanos haviam decidido não entrar em campo, mesmo que perdessem os pontos da rodada.

Honrando a camisa rubro-negra, os jogadores, mesmo machucados e gripados, foram à diretoria e pediram para jogar. A direção, então, enviou uma carta ao jornal Gazeta do Povo, anunciado a participação do clubeno jogo:

"Prezado Sr.:

Servimo-nos do presente para solicitar a V.S. a fineza de inserir na seção esportiva à seu cargo o seguinte comunicado.

‘Comunicamos aos nossos prezados consórcios e à família curitibana que, em virtude de seis amadores do nosso quadro principal, acharem-se alguns gripados e outros contundidos, era nossa intenção não disputar a primeira rodada, entregando os pontos ao nosso antagonista, dada a sua atitude pouco cordeal para com o nosso club, quando não concordou com a transferência do jogo para outra data. Acontece porém, que nossos amadores, sabedores da nossa intenção, compareceram incorporados a nossa sede social, pondo-se não só à nossa disposição, como, também, exigindo a realização do jogo. Em face da abnegação dos nossos amadores, resolvemos disputar o jogo em apreço, prestando assim uma homenagem aos nossos denodados defensores que, com sacrifício da sua própria saúde, vão combater ardorosamente em prol do nosso pavilhão. ‘Não nos move a veleidade da vitória’.

Sem outro motivo, atenciosamente subscrevemo-nos.

Pelo Club Atlético Paranaense
A Diretoria"

Com a carta publicada, os rubro-negros entraram em campo determinados a conquistar a vitória na primeira partida do campeonato. Foi então que o Atlético ficou conhecido como "Clube da Raça". Os jogadores foram pra cima do adversário e conquistaram a vitória, a única vitória rubro-negra na competição daquele ano. Mimi e Marreco marcaram os gols daquele clássico, que ficou conhecido eternamente como "Atletiba da Gripe".



Últimas Notícias

Notícias

Já faz um ano….

Neste dia 04 de março faz exatamente um ano que o torcedor atleticano viu o Furacão de perto, ao vivo e em cores dentro da…