15 out 2005 - 1h22

Hoje é dia de Atletiba

Este sábado, 15 de outubro de 2005, é dia de Atletiba. O clássico mais importante do futebol paranaense está sempre em evidência e carrega uma carga de rivalidade de oito décadas. Para o jogo deste sábado, alguns fatores apimentam o duelo entre Atlético e Coritiba. Em primeiro lugar, há uma disputa entre os dois clubes pela melhor colocação no Campeonato Brasileiro. O Coxa esteve na frente na maior parte da competição, mas o Furacão se recuperou e passou a frente (45% contra 42% de aproveitamento). Além disso, o time alviverde luta para dar o troco no Atlético, que venceu o último Atletiba realizado no Couto e neste ano foi campeão estadual vencendo o clássico na grande decisão.

Nos últimos dias, o Atletiba pegou fogo. As denúncias de suposta participação do Coritiba no esquema da arbitragem paranaense despertaram na torcida atleticana uma sensação de revolta em vista de que surgiram indícios de comprovação de tudo aquilo que se imaginava. Dentro de campo, o Coritiba atravessa uma má fase técnica que culminou com a demissão do técnico Cuca, apesar de todas as garantias de permanência. Cuca foi mandado embora dias antes do Atletiba e não pôde cumprir sua promessa de vencer o jogo. Em seu lugar, assumiu Antonio Lopes Júnior, filho de Antonio Lopes, último técnico do Atlético antes de Evaristo e último técnico do Coxa antes de Cuca. A relação pessoal entre o comandante alviverde e o ex-treinador rubro-negro também causou uma expectativa na torcida para o resultado da partida. Pelo lado atleticano, a presença do ídolo Dagoberto e de jogadores ofensivos como Evandro, Lima e Aloísio é fator suficiente para animar o povão rubro-negro.

Se entre os torcedores já há motivação suficiente para a partida, dentro de campo a expectativa é que a partida também seja muito movimentada. "Rivalidade e polêmica são duas coisas que não podem deixar de existir no futebol", garante o técnico Evaristo de Macedo, aprovando o clima que tomou conta da cidade. Experiente, Evaristo sabe que o Atletiba é um jogo diferente dos demais. "Na história do futebol paranaense, talvez esse seja o jogo de maior importância", afirma. Será o segundo Atletiba da carreira do treinador de 72 anos. Em 1996, ele comandou o Atlético na vitória por 1 a 0 sobre o Coritiba no Estádio Joaquim Américo, pelo Campeonato Brasileiro.

Em função da crise do Coritiba e da boa fase do Atlético, a imprensa vem tratando o jogo como o "clássico dos opostos" (veja matérias do Lance!, FutebolPR e Pelé.Net ). Apesar de Lopes Júnior admitir que o Atlético é favorito, Evaristo não compartilha da mesma opinião. "Esse negócio de favoritismo é coisa de imprensa e de torcedores. Nós, profissionais, não usamos esses termos, não. Cada jogo é uma história diferente", observa o treinador.

Os times

Para vencer o jogo, Evaristo aposta na qualidade dos jogadores do Atlético e não em rótulos distribuídos pela imprensa. Por isso, o fato de manter a mesma escalação da última partida é sinal de que o Furacão apostará no entrosamento para vencer o jogo. Por causa disso, o técnico dispensou qualquer espécie de mistério durante a semana. "Não o que esconder. Se tudo mundo sabe qual é a equipe, por que esconder?", questionou.

O Atlético entrará em campo com a seguinte formação: Tiago Cardoso; Jancarlos, Danilo, Paulo André e Marcão; Alan Bahia, Cristian, Evandro e Lima; Dagoberto e Aloísio. Ficarão no banco: Andrey, Durval, Marín, André Rocha, Ticão, Ferreira e Finazzi. Os três últimos são os mais cotados para entrar no decorrer do jogo.

No Coritiba, o técnico Lopes Júnior ainda faz mistério sobre o time. O certo é que Rubens Júnior, Renaldo e Tiago, afastados, estão fora do jogo. A novidade deve ser o retorno do meia Marquinhos à equipe.

Brasileiro – (15/10/05) – Coritiba x Atlético
L: Couto Pereira; H: 18h10; A: Wagner Tardelli Azevedo (RJ); T: Premiere Esportes (ppv).

CORITIBA: Douglas; James, Anderson, Nascimento e Ricardinho; Márcio Egídio, Humberto, Marquinhos e Jackson; Marcelo Peabiru (Maia) e Caio. T: Antonio Lopes Júnior.

ATLÉTICO: Tiago Cardoso; Jancarlos, Danilo, Paulo André e Marcão; Alan Bahia, Cristian, Evandro e Lima; Dagoberto e Aloísio. T: Evaristo de Macedo.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…