19 out 2005 - 23h03

Heber Lopes já admitiu ter falhado em Atletibas

O árbitro paranaense Heber Roberto Lopes, acusado pelo empresário paulista Nagib Fayad de estar envolvido no escândalo da Máfia do Apito, confessou no início deste ano ter cometido erros em clássicos Atletiba, prejudicando o Atlético e beneficiando o Coritiba. Em sua carreira, Heber já apitou quatro Atletibas. Curiosamente, o Coritiba venceu todos (2 a 1 em 1999, 2 a 0 em 2001, 2 a 1 em 2004 e 1 a 0 em 2005).

O último clássico apitado por ele foi a primeira final do Campeonato Paranaense deste ano, quando deixou de marcar um pênalti claro em favor do Atlético – o zagueiro Miranda tocou a mão na bola dentro da área do Coxa aos 18 minutos do primeiro tempo. Depois do jogo, Lopes comentou: "Eu paguei caro em outros Atletibas em que eu entrei queimando cartão amarelo, de forma incorreta, e depois aconteceram muitas expulsões. Então, a gente ganha experiência e melhora".

No Campeonato Brasileiro deste ano, o árbitro paranaense não trabalhou em nenhum jogo do Atlético. Portanto, caso venha a ser confirmado seu envolvimento na manipulação de jogos para beneficiar apostadores, não há risco de anulação de nenhuma partida do Rubro-negro.

Arbitragens polêmicas

Em 13 de junho de 99, no primeiro jogo da semifinal do Paranaense, Heber apitou o Atletiba que terminou 2 a 1 para o Coritiba. Naquele jogo, ele expulsou o volante atleticano Renato. Passaram-se dois anos, mas o modo de atuar continuou o mesmo. No Atletiba de 11 de fevereiro de 2001, Heber expulsou três atleticanos: Milton do Ó, Fabiano e Alessandro. As duas primeiras expulsões foram absolutamente excessivas, logo no início da partida, prejudicando tremendamente o Furacão. Depois de muito pressionar, e contando com a vantagem numérica, o Coritiba venceu por 2 a 0, com gols aos 31 e aos 38 do segundo tempo.

Finalmente, no primeiro jogo da final do Paranaense 2004, Heber expulsou o volante atleticano Vanderson aos 15 minutos do primeiro tempo (o jogador não tinha recebido sequer o amarelo). Posteriormente, Vanderson foi absolvido por unanimidade no Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná. Com um homem a mais, o Coritiba venceu o jogo por 2 a 1.

Outros jogos

A atuação de Heber Roberto Lopes não é polêmica apenas em Atletibas. No Paranaense de 2003, o árbitro deixou de expulsar o coritibano Reginaldo Nascimento em um lance de extrema violência no clássico contra o Paraná do dia 2 de fevereiro, comprovando que nem sempre é tão rigoroso. Na final do campeonato, entre Coritiba e o modesto Paranavaí, Heber apitou um pênalti em favor do Coritiba em um lance em que claramente não houve irregularidade.

Neste ano, Heber Roberto Lopes apitou o jogo entre Atlético e Francisco Beltrão, no interior do estado. O Furacão vencia o jogo por 3 a 1 quando o árbitro assinalou pênalti para o time da casa em um lance muito estranho. Na reportagem do jogo, a Furacao.com descreveu o fato desta maneira: "O segundo gol do Beltrão saiu depois de uma ajuda do árbitro Heber Roberto Lopes. Batista se jogou na área e foi anotado o pênalti. Luizinho Cascavel bateu e converteu."

Clique aqui e confira todos os quinze jogos do Atlético apitados por Heber Roberto Lopes desde 1999.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…