11 nov 2005 - 18h59

Aloísio é emprestado ao São Paulo até fevereiro

O atacante Aloísio disputará o Mundial de Clubes da Fifa pelo São Paulo. A negociação, concretizada nesta sexta-feira, envolveu quatro partes: o próprio atleta, representado pelo seu procurador Bebeto, o São Paulo, o Atlético e o Rubin Kazan. O acerto se deu nos seguintes termos: Aloísio renovou seu contrato com o Atlético até 31 de dezembro de 2006 e foi imediatamente emprestado ao São Paulo até fevereiro de 2006. Isso significa que, a princípio, ele ficará no clube paulista somente para a disputa do Mundial. Depois do final do empréstimo, ele será reintegrado ao elenco atleticano ou ainda negociado pelo Furacão. De todo modo, o jogador está vinculado ao Atlético até o final do próximo ano.

O interesse do São Paulo na contratação de Aloísio surgiu em julho. Logo após o final da Libertadores da América, a diretoria do clube paulista procurou o empresário do jogador e fez uma proposta para sua contratação, que foi recusada pelo atacante atleticano. Há alguns dias, o São Paulo voltou a manifestar interesse no atleta, desta vez para fortalecer seu elenco para o Mundial de Clubes da Fifa. Aloísio viajou para São Paulo nesta quinta-feira a fim de discutir as bases salariais e as condições do contrato. Na tarde desta sexta-feira, ficou tudo acertado. O anúncio da contratação foi feito pelo dirigente Juvenal Juvêncio em entrevista à Rádio Record, de São Paulo. Segundo a imprensa paulista, Aloísio receberá R$ 60 mil por mês.

Aloísio assinou um contrato de apenas três meses com o São Paulo, até fevereiro de 2006. Ele passa a ser atleta do tricolor paulista já nesta sexta-feira, dia 11 de novembro. O registro do contrato já foi efetuado perante a CBF e o extrato foi publicado no BID desta sexta-feira. Com isso, ele foi incluído na relação preliminar de 35 atletas que o São Paulo entregou à Fifa para a disputa do Mundial.

O atacante já passa a fazer parte do plantel são-paulino e começará a treinar com o grupo principal, mas não poderá disputar o Campeonato Brasileiro. No momento, o jogador está sem condições de jogo em função de uma lesão muscular. O time paulista anunciou ainda que continuará negociando para que Aloísio permaneça no clube até o final do ano. Isso dependerá, contudo, de um acerto com o Atlético.

Passagem no Atlético

A carreira de Aloísio começou nas divisões inferiores do Flamengo. Sem espaço no time profissional, acabou sendo negociado com o Goiás, onde teve bom desempenho e conseguiu uma transferência para o Saint-Etienne. Ainda na França, jogou também no Paris Sait-Germain, de onde saiu para ir para a Rússia.

Contratado pelo Atlético no início da temporada com a dura missão de substituir Washington, Aloísio enfrentou dificuldades. Durante todo o ano, sofreu diversas contusões e ficou muitos meses entregue ao departamento médico. Sofreu lesões musculares, pubalgia e problemas no joelho e no tornozelo. Participou de apenas metade dos jogos do Atlético na temporada. Mesmo assim, conseguiu se recuperar e foi importante em diversos jogos, com destaque para a brilhante partida contra o Santos, pelas quartas-de-final da Libertadores, na qual marcou dois gols. Não se consagrou como artilheiro (alcançou uma média de um gol a casa 212 minutos em campo), mas por outro lado teve um bom desempenho exercendo a função de pivô e fazendo boas jogadas para os outros atacantes.

Prestes a completar 31 anos, Aloísio disputou 35 jogos com a camisa rubro-negra e marcou 10 gols. Recebeu 11 cartões amarelos e foi expulso uma vez. No total, permaneceu em campo durante 2.340 minutos (o que equivale a 26 jogos inteiros).

Engraçado e líder

Fora de campo, Aloísio ficou marcado como um sujeito amigo de todos. Era considerado o líder do elenco por seus companheiros, conforme pesquisa realizada pela Furacao.com. Na mesma consulta, os outros jogadores o elegeram também como o mais engraçado e o mais corajoso do grupo. Muito humilde e simpático, sempre atendeu a todos com boa vontade e atenção.

Várias atitudes de Aloísio comprovam sua humildade. Mesmo com mais de 30 anos e com boa passagem pelo futebol europeu, não perdeu a oportunidade de elogiar publicamente Romário e Alex Dias, atacantes com quem jogou, mas, de certa forma, seus "concorrentes" na profissão. Um dos filhos de Aloísio, por sinal, leva o nome do Baixinho, em uma homenagem rara de se encontrar no mundo da bola. Também de forma pública, fez elogios a Dagoberto, a quem chamou de "fenômeno", e defendeu Denis Marques, criticando a torcida pelas vaias constantes ao jogador.

No Atlético, Aloísio conquistou a admiração de muitos ao contratar como seu motorista particular o popular "Basílio", que ficou sem emprego após ter deixado o Atlético.

Estatísticas

Campeonato Paranaense
8 jogos – 412 minutos – 3 gols – 3 cartões amarelos – 1 cartão vermelho

Libertadores da América
12 jogos – 804 minutos – 4 gols – 2 cartões amarelos

Campeonato Brasileiro
15 jogos – 1124 minutos – 3 gols – 6 cartões amarelos



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…