21 nov 2005 - 21h56

Rezende compara os lances de Dagoberto e Tinga

O sentimento de revolta que hoje está presente no torcedor do Internacional, que viu seu time ser prejudicado na partida desse domingo, contra o Corinthians, esteve presente na nação atleticana há exatos 22 dias. Assim como na partida de ontem, quando deixou de marcar um pênalti em cima do volante Tinga e ainda por cima expulsou o jogador Colorado alegando simulação da falta, o árbitro Márcio Rezende de Freitas cometeu erro semelhante no clássico entre Atlético e Paraná, no último dia 30 de outubro, na Kyocera Arena.

No clássico paranaense, aos 33 minutos do 2º tempo, Dagoberto sofreu uma falta de Pierre quase na risca da pequena área. Além de não assinalar o pênalti a favor do Furacão, o árbitro Márcio Rezende de Freitas mostrou cartão amarelo ao atacante atleticano, que já havia recebido um cartão no 1º tempo da partida e acabou sendo expulso do jogo.

Ontem, um replay da história pôde ser presenciado no Pacaembu. Aos 28 minutos do 2º tempo, o goleiro corintiano Fábio Costa derrubou Tinga na área. Mas, ao invés de assinalar o pênalti, Rezende mostrou o segundo cartão amarelo ao atleta do Internacional, que foi expulso do jogo.

Na tarde de hoje, em entrevista ao programa Arena Sportv, o árbitro Márcio Rezende de Freitas tentou diferenciar os dois lances, apesar de admitir que em ambos agiu errado não tendo assinalado a penalidade. “O caso do Dagoberto foi diferente. Ele já tinha se jogado e eu alertei e dei um amarelo. No decorrer do jogo, ele se joga espalhafatosamente na área e eu achei que era simulação e dei o segundo amarelo e o conseqüente vermelho. Depois, na TV, vi que foi falta realmente e admiti naquela oportunidade também que tinha errado”, afirmou Rezende, que considerou a queda de Tinga mais sutil que a do atacante atleticano.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…