3 dez 2005 - 13h39

Atleticanos eliminam o clima de revanche

Quando o Atlético pisar no gramado do estádio Morumbi, um filminho passará pela cabeça de muitos atletas e torcedores do Rubro-negro. Afinal, o estádio do São Paulo foi o placo da mais importante decisão da história do futebol paranaense, quando o Furacão enfrentou o Tricolor paulista na disputa pelo título da Copa Libertadores da América 2005. Apesar de adiar o sonho da conquista da América, o vice-campeonato atleticano é orgulho para o clube e sua torcida.

Dos 19 atletas relacionados pelo técnico Evaristo de Macedo para o jogo deste domingo, contra o São Paulo, nove estavam inscritos na Libertadores: os goleiros Diego e Vinicius; os laterais Jancarlos e Marin; os zagueiros Danilo e Durval; o volante Alan Bahia; o meia Evandro e o atacante Denis Marques. E eles garantem: não existe clima de revanche.

"A Libertadores já faz parte do passado. Eles foram melhores no Morumbi e nós fomos melhores na Arena, no Brasileiro. Acredito que quem tiver mais posse de bola, ganhará a última partida do ano", afirmou o zagueiro Danilo, um dos titulares do time atleticano naquela noite de 14 de julho.

Para o goleiro Diego, o Morumbi sempre será um palco de boas e más lembranças para os atleticanos. Na parte boa vem a emoção da disputa de uma final de Libertadores. Na ruim, o triste gosto pela perda do título. Mesmo assim, ele garante que o que passou, passou e agora o único objetivo é vencer, não para dar uma resposta, mas para encerrar de maneira positiva a temporada atleticana. "Temos um compromisso com o clube, com o torcedor e com nós mesmos. Foi um ano muito bom e podemos fechar com chave de ouro", afirmou o goleiro.

Informações: Site Oficial do Atlético



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…