19 dez 2005 - 9h03

Atlético responde coluna de Ricardo Campelo

O assunto “pacotes de ingressos para a temporada 2006” está no alvo da moda entre os torcedores atleticanos. Na quinta-feira, o colunista Ricardo Campelo abordou o tema em sua coluna “Pacote de equívocos”. No texto, Campelo apontou uma série de erros que, na opinião do colunista, dificultam a venda dos pacotes entre os atleticanos.

No mesmo dia, o Departamento de Marketing do Atlético entrou em contato com a Furacao.com para esclarecer os aspectos abordados na coluna. De acordo com o comunicado do clube, o Atlético ainda é periférico em muitos aspectos do futebol nacional, principalmente na parte financeira, e precisa compensar de alguma maneira essas perdas, tendo no valor dos ingressos um importante aliado.

“Temos a metade de verba da TV dos clubes do eixo Rio-SP, os investimentos de patrocinadores nos clubes de lá são em alguns casos 10 vezes superiores aos da nossa região – isso não tem nada com o futebol é uma realidade do mercado publicitário. O Atlético vem conseguindo competir com esses clubes graças a uma política de valorização da sua marca, que inclui atrair para a Arena um público diferenciado que seja interessante para potenciais patrocinadores. Se continuássemos a administrar nosso clube como os demais não estaríamos na situação que estamos e não teríamos atraído parceiros do porte dos que temos hoje em dia”, justificou o clube.

Sobre a preferência para os torcedores que já haviam adquirido pacotes na temporada 2004/2005 em renovar os pacotes, o Atlético justifica o atraso no envio da mala-direta, oferecendo as vantagens na renovação dos pacotes, devido ao acúmulo de correspondências nos correios nesta época do ano, com o movimento devido às festas de final de ano.

Apesar desse atraso, o clube garante que as cadeiras dos antigos compradores estão garantidas até que haja manifestação do torcedor em não renovar.

Outro aspecto comentado no comunicado do clube é referente ao pacote de meia-entrada, destinado a estudantes e idosos: “O Atlético nunca vendeu meio pacote em razão dos abusos que se comentem com as falsificações de documentos e absoluta impossibilidade de se controlar este tipo de ação em um evento que mais de 70% do público chega no estádio muito em cima da hora do início do jogo.”

Com referência às promoções especiais para a compra de mais de um pacote, o clube afirma que desta vez optou em priorizar senhoras e crianças. No ano passado, por exemplo, a promoção era destinada a parentes e pessoas que trabalhassem numa mesma empresa.

O pacote de ingressos abrange todos os jogos de 2006 com mando do Atlético. Inicialmente, estão previstos um mínimo de 28 jogos, com a primeira fase do Paranaense (sete partidas), um jogo da Copa do Brasil, um jogo da Sul-Americana e 19 jogos do Brasileiro.

Por fim, o clube afirma que o pacote de ingresso pretende fidelizar o torcedor e lhe oferecer vantagens por apostar no time. Nos últimos dias, foi anunciado que o valor dos ingressos individuais para a temporada 2006 podem ser reajustados o que, para o Atlético, não é uma medida para afastar os torcedores do estádio e sim para poder manter o clube competitivo no cenário nacional.

“Esta é uma questão delicada, ninguém quer afastar o torcedor do estádio. Acontece que o custo do futebol é muito alto – e cada vez está maior – e do clube é exigido que enfrente adversários com potencial de receita muito maiores – principalmente os de São Paulo. Se nós não tornarmos a receita de bilheteria algo significativo, não teremos como ser competitivos em relação aos adversários”, finalizou o comunicado do Atlético endereçado à Furacao.com.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…