23 dez 2005 - 9h33

Cruzeiro também quer Jadson

O armador Jadson, de 22 anos, que está no Shakhtar Donetsk da Ucrânia, ainda é o principal alvo do vice-presidente Zezé Perrella, do Cruzeiro, que vem conversando quase que diariamente com o procurador do atleta, Maurício Nassif. O maior empecilho é o desinteresse do Shakhtar pela cessão temporária.

Jadson chegou ao Shakhtar em janeiro comprado por US$ 6 milhões. Embora seja o reserva imediato do também brasileiro Elano, ex-Santos, ele entra em praticamente todos os jogos e é um dos ídolos da torcida. Em 35 partidas na Ucrânia, ele marcou dez gols.

“Ele é muito querido por todos, é ídolo, fez coisas com a bola que encheram os olhos dos ucranianos”, disse Maurício Nassif, que considera difícil o seu retorno ao Brasil por empréstimo. “O Jadson tem interesse em voltar, mas os ucranianos investiram alto na sua contratação e não querem liberar. É muito duro negociar com eles por empréstimo”.

O representante de Jadson negou que o Santos já tenha chegado a um acordo para repatriar o armador. “O Shakhtar ainda não liberou o jogador, recusou até o momento qualquer tipo de proposta. Espero que eles abram mão disso uma hora ou outra”.

Nassif reconheceu que Santos e Cruzeiro são os principais interessados na contratação de Jadson até o momento. Por ora, as condições oferecidas pelos dois concorrentes seriam bem similares. “A proposta do Santos está nos mesmos moldes da proposta do Cruzeiro, mas não podemos dar andamento às conversas enquanto o Shakhtar não liberá-lo”.

Esta semana, Zezé Perrella revelou na Toca da Raposa II que o Santos teria oferecido ao Shakhtar 300 mil euros pelo empréstimo de Jadson por uma temporada, além de um salário mensal de R$ 120 mil. Na ocasião, o vice-presidente disse que os valores estavam fora da realidade brasileira. “Não vamos fazer essas maluquices”, ironizou Perrella.

O Cruzeiro já havia tentado a contratação de Jadson em julho, antes do término das inscrições no Brasileiro. O Shakhtar pediu US$ 500 mil pelo empréstimo de seis meses.

Jadson começou a carreira no PSTC, clube de sua cidade natal, e transferiu-se para o Atlético Paranaense em 2001, depois de passar pelas categorias de base do Internacional. Em 2003, com 19 anos, ele foi promovido ao profissional do Furacão, mas só se destacou em 2004, ao marcar 14 gols no Brasileiro.

O bom desempenho ao lado de Fernandinho (10 gols), Dagoberto (12 gols) e Washington (34 gols) chamou a atenção do Shakhtar Donetsk, que pagou em torno de US$ 6 milhões pelos seus direitos. Seu contrato vai até 2009.

Reportagem: Bruno Furtado, para o Portal UAI



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…