6 jan 2006 - 15h37

Confira a coletiva de Lothar Matthäus

O técnico alemão Lothar Matthäus concedeu uma entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira em São Paulo. A entrevista foi realizada no hotel Gran Meliá Mofarrej, um dos mais importantes da capital paulista. Além dos jornalistas locais, alguns integrantes da crônica paranaense foram a São Paulo participar da entrevista, como o repórter Rodrigo Sell, do Grupo Paulo Pimentel.

A entrevista durou cerca de uma hora (das 12h às 13h) e Matthäus falou principalmente sobre o interesse do Atlético em sua contratação. Apesar de não confirmar que já é o novo técnico do clube, o alemão falou sobre vários aspectos de como seria seu trabalho e demonstrou entusiasmo com a proposta. Confira as principais declarações de Lothar Matthäus na coletiva:

DECISÃO DA ESPOSA
"Como em muitas casas, na minha quem manda é a minha mulher. Eu sei da dificuldade de se mudar de uma cidade para outra da Alemanha, e imagino como deva ser mudar de continente. Vou conversar com ela e, se ela estiver de acordo, assino o contrato no dia seguinte."

APOIO DA FAMÍLIA
"Minha família sabia do motivo da viagem ao Brasil e sei que jamais vai rejeitar algo que seja bom para mim. Eu gosto de desafios e vai se uma honra treinar um time brasileiro de ponta num país pentacampeão mundial."

CHANCES SÃO MUITO GRANDES
"Vamos deixar que as coisas aconteçam e nos surpreender na segunda-feira. Mas eu garanto que as chances são grandes, muito grandes."

HONRA
"Não é segredo que mantivemos conversas sobre formar uma parceria. Eu buscava um desafio e o Atlético está sem treinador. Para mim foi uma honra receber um convite para ser o primeiro treinador europeu a trabalhar no país pentacampeão mundial. A quantidade de meios de comunicação que eu vi aqui cobrindo o futebol mostra o amor dos brasileiros pelo esporte, que é idêntico ao meu."

ESTILOS DIFERENTES
"As duas escolas têm seus pontos fortes e fracos. Claro que a brasileira é a mais habilidosa do mundo, e eu venho aqui para aprender muitas coisas. Se eu conseguir ensinar aspectos táticos e for bem-sucedido, ficarei feliz. Sempre acreditei que, para vencer, é necessário unir talento à disciplina tática."

ATLÉTICO
"O time é bom, joga de uma forma interessante e não precisará de mudanças. Estudei o time através de DVDs e vi jogos pela TV. Acredito que não serão necessárias mudanças na estrutura nem a contratação de jogadores. Penso em me adaptar primeiro e, depois, pensar em modificar alguma coisa."

DIRETORIA PROFISSIONAL
"As nossas conversas foram muito interessantes e gostei bastante da diretoria do clube, que mostrou-se muito profissional e compreensiva com a minha situação e com o prazo que eu pedi para responder à oferta que me foi feita. Todos os detalhes foram discutidos com o clube. Está tudo acertado."

CALENDÁRIO
"Calendário diferente não é problema. Eu fui jogador e sei que nós gostamos mais de jogar do que de treinar. E, no Brasil, há mais jogos do que na Europa. Logo, não vejo qualquer problema."

FUTEBOL DE ANTIGAMENTE
"Antes de pensar em trabalhar no Brasil eu treinei o Partizan, da Sérvia, que tem estruturas de como era o futebol há 50 anos. Depois disso, nada mais me surpreende. Na verdade, eu gosto de ver como o futebol era originalmente. Quero sentir nos velhos estádios o cheiro do futebol, e não o cheiro de champagne. O futebol virou um negócio muito grande, e isso não me interessa muito. Se eu quiser champagne, vou a um restaurante."

AUXILIAR TRADUTOR
"Vou contratar um auxiliar técnico que fale português e alemão, mas vou me esforçar para aprender o máximo de português que eu puder em pouco tempo."

SONHO EM COMANDAR A SELEÇÃO ALEMÃ NA COPA DE 2010
"Vou focar primeiro no meu trabalho no Atlético, não penso ainda na Copa de 2010"



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…