13 jan 2006 - 11h10

Manchetes atleticanas desta sexta-feira

A espera valeu a pena. Depois de chegar em setembro e não ganhar nenhuma oportunidade em 2005 com o técnico Evaristo de Macedo, o uruguaio Pezzolano só tem o que comemorar neste início de 2006. Titular em sua estréia com a camisa do Atlético, com Vinícius Eutrópio no comando interinamente, o meia marcou o primeiro gol do time na temporada e entrou na briga por um lugar ao sol.

 

A língua do boleiro todo mundo entende.” A opinião do volante Alan Bahia, capitão do Atlético, dá a dimensão da expectativa criada no elenco rubro-negro para a chegada do técnico alemão Lothar Matthäus: uma grande curiosidade em torno da novidade internacional, mas com a despreocupação característica dos jogadores de futebol.

 

O novo técnico do Atlético-PR, o alemão Lothar Matthäus, vai supervisionar todas as categorias de base do Furacão. Quem garante é o presidente do Conselho Gestor, João Augusto Fleury da Rocha. Segundo ele, a chegada de Matthäus deverá revolucionar o conceito de cultura tática do clube.

 

O técnico Lothar Matthäus, que assume o comando do Atlético em 1º de fevereiro, declarou ontem que chegou a suspeitar da sua contratação pelo clube paranaense. “Eu não imaginava o que pensavam os dirigentes do clube, mas acreditei inicialmente tratar-se de uma estratégia de marketing no país”, afirmou ele, em entrevista ao jornal alemão Die Welt.

 

O Atlético venceu o Galo Maringá na estréia do Estadual e lidera o grupo A, mas nem o bom início no Paranaense faz os torcedores esquecerem o fato de que Lothar Matthaus deve chegar no início de fevereiro para treinar a equipe na temporada. E o ex-capitão da seleção alemã pode trazer um velho conhecido da galera rubro-negra, o atacante Paulo Rink, famoso por fazer dupla com Oséas, na década de 90.

 

O futebol apresentado não foi dos melhores, mas a eficiência nas poucas oportunidades surgidas deram a vitória de 2 a 0 do Atlético Paranaense sobre o Galo Maringá, fora de casa. Os jogadores exaltaram a superação dentro de campo, já que as condições físicas não eram as mais favoráveis.

 

O Atlético venceu na sua estréia no Campeonato Paranaense, mas nem tudo foi festa na quarta-feira para a delegação que foi a Maringá. Após o jogo, o ônibus do Furacão da Baixada virou alvo da ira da torcida local e a maioria dos vidros foram quebrados. Resultado: a rapaziada passou o maior frio da paróquia na viagem de volta.

 


Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…