21 jan 2006 - 21h38

Na coletiva, Vinícius explica o tropeço em casa

O auxiliar técnico Vinícius Eutrópio concedeu entrevista coletiva após o empate do Atlético com o Francisco Beltrão por 2 a 2 na tarde deste sábado na Kyocera Arena. Foi o primeiro tropeço do Atlético em casa neste Campeonato Paranaense e o segundo mau resultado no ano – antes disso, o time havia perdido para o Rio Branco, em Paranaguá. Eutrópio disse que os meias e atacantes não tiveram o mesmo rendimento físico do jogo da última quarta-feira, contra o Nacional, e que isso é normal em virtude da pré-temporada.

Por outro lado, o técnico interino não descartou uma alteração tática para o próximo jogo, diante do Iraty. Disse que iria conversar com os demais integrantes da comissão técnica para decidir. Para Vinícius, o principal defeito do Atlético foi não ter convertido em gol as chances que criou.

Confira a entrevista coletiva:

O JOGO
"Até os 20, 30 minutos, nós tínhamos essa passagem da bola pelo meio. Até desperdiçamos algumas chances, mas depois que nós tomamos o gol, começamos a fazer jogada direta, a nos precipitar. E tinha bastante tempo ainda. No segundo tempo, nós modificamos: coloquei o Rodrigão para ficar como um pivô, liberamos também o Michel, que no segundo tempo se soltou mais, chutou bola a gol e fez as ultrapassagens. Conseguimos virar o jogo, mas depois tomamos um gol de lateral. É coisa que acontece, mas num jogo que se tornou difícil nós temos de valorizar muito um gol. Tanto é que eu estava com a substituição pronta, ia colocar o Erandir, mas bem na hora tomamos o gol".

ESQUEMA TÁTICO
"Temos que ver e conversar com todo mundo. Nada é absoluto. Hoje nós tentamos imprimir nosso ritmo, mas não conseguimos dar a movimentação depois de certo tempo. Vamos pensar e ver qual o melhor caminho a seguir. Pecamos na marcação, não conseguimos ter aquela movimentação de jogo e só melhoramos no segundo tempo. Então, temos que pensar pra frente e ver o caminho melhor para nós."

O JOGO
"O resultado, por ser na Arena, não é muito normal porque a nossa obrigação é sempre vencer. O que a gente pôde sentir hoje é que aqueles atletas que estrearam na quarta-feira, o Denis, o Ferreira e o Adriano, como nós ainda não decaímos no volume de treinamento, sentiram um pouco mais. Isso é natural, eles estavam parados há mais de um mês e meio. Mas quando precisou um pouco mais de movimentação, você sentia que eles já não conseguiram, o que é normal. Mas a gente tem planejado dar esse volume. O ideal é dar o treinamento físico e obter os resultados. Talvez seja um preço que a gente pague, mas isso não é a tônica, não foi o principal. Esse é o preço que se paga. Realmente nós tivemos a oportunidade de ter saído na frente. Se tivéssemos conseguido isso, se saíssemos com pelo menos um gol na frente, o resultado teria sido totalmente diferente".

TIAGO CARDOSO
"Ele foi vetado no intervalo porque estava machucado. Infelizmente, perdemos uma substituição naquele momento. Fazendo duas substituições no intervalo, sendo a do goleiro forçada, eu tive que segurar um pouquinho a terceira. Deu certo, nós viramos o jogo e daí sim eu preparei a terceira substituição, pois se houvesse algum problema, por lesão ou algo assim, nós permaneceríamos com um tempo mínimo com 10 jogadores, se alguém tivesse se lesionado. Mas infelizmente a equipe adversária empatou e nós tivemos que mudar novamente nossos planos. Quando a substituição dele, não estou pensando nisso agora. É muito cedo para isso. O Tiago tem a nossa segurança, é tranqüilo, não vejo porque motivo entrar nesse assunto".

CHANCES DESPERDIÇADAS
"Nós não fomos competentes para aproveitar as chances que nós tivemos. Nosso scout apontou 21 finalizações e 12 chutes ao gol, muitas bolas próximas à linha do pênalti e próximas da pequena área. A partir do momento em que você cria, mas não consegue fazer, e vê o adversário criar, sendo eficaz mesmo com poucas oportunidades, e nós não conseguimos modificar isso, o empate foi justo".

SISTEMA DE JOGO
"O que a gente tem realmente é compactar bem o time quando estamos sendo atacados. Nós damos liberdade a cinco, seis jogadores ao mesmo tempo quando temos a posse de bola. E o que pode ter acontecido realmente é voltar bastante e fica distante querer atacar. No segundo tempo nós melhoramos, mas a nossa marcação desde o início, o que eu treinei com eles e nós executamos bem na quarta, foi a pressão lá na frente".

OBJETIVOS
"A finalidade que a gente tem é entregar o time compacto para o Matthäus. A nossa preocupação é essa. É óbvio que nós temos que pontuar, mas temos que entregar o time bem para que ele possa trabalhar tranqüilo. Na segunda-feira, vamos para o terceiro jogo-treino para que o grupo fique uniforme. Mais para frente, teremos a volta de Fabrício, Evandro, Dagoberto e Ivan para que a gente possa ter um elenco coeso. Alguns ainda estão em parte fisioterápica e outros estão na parte física. Eles ainda não estão liberados para os trabalhos técnicos".



Últimas Notícias

Notícias

Já faz um ano….

Neste dia 04 de março faz exatamente um ano que o torcedor atleticano viu o Furacão de perto, ao vivo e em cores dentro da…