25 jan 2006 - 20h01

Vinícius Eutrópio lamentou os erros na finalização

Um time que cria boas chances de marcar gols, mas não faz. E, lembrando o velho ditado do futebol, quem não faz, leva. Essa está sendo a realidade do Atlético nas duas últimas partidas no Campeonato Paranaense. As oportunidades para fazer o gol até que apareceram, mas na hora de concluir o time não foi feliz. Resultado: um empate na Kyocera Arena e uma derrota em Iraty.

Especificamente sobre a derrota na tarde desta quarta-feira, o técnico-interino Vinícius Eutrópio lamentou os erros na finalização, em especial no início da segunda etapa, quando o Atlético estava em vantagem no placar. “Quando estava 2 a 1, o jogo estava sob comando, faltou concluir a gol para ampliar. Ampliar para coordenar as ações”, afirmou.

De acordo com Eutrópio, o fato de o time criar muitas oportunidades e mesmo assim não conseguir vencer os jogos não pode significar falta de qualidade dos atacantes do Atlético. “Não diria que falta qualidade. Falta a bola entrar. Nós ganhando por 2 a 1, tendo vários escanteios, bola na trave, pressionando, na casa do adversário e ganhando. A qualidade que podemos buscar não é de outros jogadores e sim nos jogos. Temos que treinar, treinar e treinar para fazer com que os jogadores, que têm qualidade, possam fazer a bola entrar”, disse.

Confira a íntegra da entrevista coletiva à imprensa:

O JOGO
“Tivemos algumas dificuldades no início do jogo, equilibramos, acertamos a marcação e conseguimos virar o placar. No segundo tempo, o time teve várias oportunidades para maçar, o goleiro deles foi bem e o jogo estava controlado. Os chutes deles são de longe, a uns 30, 40 metros do gol, então nós estávamos dominando o jogo. Infelizmente aconteceu aí o que aconteceu, todos viram e o Iraty saiu com a vitória”.

SUBSTITUIÇÕES
“Eu fiz para fechar a cabeça da área, nós não precisávamos mexer no ataque, que estava dando certo. Nos já tínhamos feito dois gols no primeiro tempo, além de termos criado várias jogada de escanteio ao nosso favor. Se eu não me engano o Rodrigão girou e o goleiro defendeu, a outra bateu na trave e saiu, então se a coisa está dando certo, mas a bola não está entrando, não poso mexer por mexer. O jogo estava controlado, estávamos com ação ofensiva, bem e criando oportunidades novamente, mas não conseguimos converter”.

ERROS
“Quando estava 2 a 1, nós tivemos muitas oportunidades e precisávamos simplesmente completar essa bola pra dentro do gol. Uma bateu na trave e o goleiro deles fez várias defesas. Ainda mais para quem está jogando fora de casa, faltou concluir e ampliar, para que pudéssemos trabalhar mais a bola e coordenar as ações”.

PRÓXIMA PARTIDA
“Agora é cedo para pensar nas substituições e no sistema de jogo para a próxima partida. Não vou comentar nada sobre isso, nem sobre a arbitragem vou deixar isso para vocês comentarem. Não cabe a mim, todo mundo viu o que aconteceu. Posso comentar sobre os dois últimos jogos, tivemos quatro pênaltis não marcados e estes aí que não vou comentar, os lances de impedimento e a arbitragem”.

TRANQÜILIDADE
“A gente tem que primeiro dar tranqüilidade aos jogadores. Lógico que esta cobrança existe, mas é interna. Temos que continuar trabalhando, pois eu não conheço outra saída que não seja trabalho em cima de trabalho para consertar estes erros que estão acontecendo”.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…