30 jan 2006 - 18h58

Segundo Holzmann, marketing só começa agora

Uma dos únicos argumentos dos rivais do Atlético para desvalorizar a extraordinária contratação do técnico alemão Lothar Matthäus é o suposto fato de que se trata unicamente de uma jogada de marketing. Ou seja, que Matthäus não traria benefícios de ordem técnica ao Atlético. Um colunista chegou a escrever que a contratação foi viabilizada pelo diretor do marketing do clube, Mauro Holzmann.

Após a apresentação oficial de Matthäus, Holzmann rebateu de modo veemente esse tipo de especulação. Afirmou que só ficou sabendo da contratação do técnico após a assinatura do contrato. "Eu só fiquei sabendo da contratação do Matthäus depois que ele foi contratado. Eu não sabia. Isso foi uma contratação técnica. As pessoas que cuidam do futebol, e todos sabem que o presidente Petraglia participa muito dessa área, foram buscar um treinador e tivemos a sorte de encontrar o Matthäus", declarou o dirigente atleticano.

Para Holzmann, as ações de marketing só começam agora, a partir da chegada do alemão ao clube. "O marketing do Atlético começará daqui para frente. Eu acredito que o Matthäus deva ser uma das quatro ou cinco figuras mais importantes do futebol mundial, junto com Pelé, Beckenbauer e Zico", disse ele, já pensando na repercussão que o clube terá fora do país. "O Atlético consegue ter uma exposição internacional que um clube que não é do centro do país não tinha ainda. Isso é que vamos aproveitar", adiantou.

Mercado

Para justificar o quesito técnico da contratação de Matthäus, Mauro Holzmann afirmou que não há no Brasil um técnico que esteja disponível e represente uma certeza de sucesso. "Treinador no Brasil que você tem quase certeza que vai dar resultado são só três: Felipão, Luxemburgo e Leão. Eles estão todos empregados e ganham salarios de 400, 500 mil reais por mês. Os outros (técnicos) são circunstanciais. Eles vão bem num clube, mal em outro", afirmou, citando o exemplo de Nelsinho Baptista, campeão brasileiro com o Corinthians, mas que teve uma passagem negativa pelo São Caetano em 2005.

Por isso, Holzmann acredita que a contratação de Matthäus representa um risco menor do que o Atlético teria ao apostar em um nome brasileiro, com a vantagem de se tratar de uma personalidade do futebol mundial. "É uma interrogação na mesma proporção de qualque outro treinador do Brasil. Você sempre se pergunta: será que vai dar certo? No caso do Matthäus, nós trazemos um treinador com bagagem e que terá todas as condições de trabalho no Atlético. Acho que tem tudo para dar certo", apostou Holzmann.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…