25 fev 2006 - 20h45

Confira a coletiva do técnico Lothar Matthäus

Já tem se tornado uma praxe no discurso do técnico Lothar Matthäus: o time do Atlético ainda está longe do ideal e ainda há muito trabalho pela frente. A conclusão externada ao final dos últimos jogos foi repetida depois do empate por 2 a 2 contra o Iraty, na Kyocera Arena. Aliás, foi o primeiro tropeço do treinador no comando do Rubro-Negro. Até este sábado, Matthäus havia comandado o time em cinco jogos – e vencido todos eles.

Além de indicar que ainda não está satisfeito com o rendimento da equipe, Matthäus destacou que não está buscando escalar o time titular ideal, mas que está procurando formar um elenco consistente, com mais de 20 atletas em condições de jogar. O técnico disse que o grupo rubro-negro é muito jovem e inexperiente, o que pode ser um indício de que pedirá contratações à diretoria.

Confira a transcrição da íntegra da entrevista coletiva de Lothar Matthäus, traduzida simultaneamente por Klaus Junginger:

SÉRIE DE VITÓRIAS
"Todas as séries sempre têm um fim. Por outro lado, nós temos uma parcela grande de culpa de não ter vencido essa partida porque depois de fazer 2 a 0 nós jogamos com displicência. Falta-nos a experiência necessária, faltam-nos jogadores com voz ativa e com liderança sobre os demais. Temos muito trabalho pela frente. Não estou satisfeito com o resultado em geral porque não vi a apresentação dentro de campo aquilo que treinamos."

CONTRATAÇÕES
"Todas as questões são conversadas com a diretoria, inclusive a contratação de reforços. Nossa equipe é muito jovem e um pouco inexperiente."

DANILO, PAULO ANDRÉ E ALEX
"São três jogadores jovens. Essa linha de defesa melhorará com o passar do tempo. A coisa mais importante do momento é jogar de maneira compactada. Estamos tendo muitos problemas nas jogadas de mano a mano."

ATENÇÃO
"Durante a partida inteira nós não estivemos tão ligados quanto esperávamos. A equipe adversária ganhou o maior número de bolas e é uma regra do futebol: normalmente quem ganha mais disputas de bola fica com o melhor resultado."

GRUPO DE JOGADORES
"Uma equipe não é constituída apenas por onze jogadores. Precisamos de 23 a 24 jogadores de bom nível para disputar a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. Não estou aqui na busca de onze jogadores, mas sim de uma variedade maior da qual eu possa escolher uma equipe de bom nível sempre."

TRÊS ATACANTES
"Minha instrução costuma ser de jogarmos pelas laterais quando tivermos o domínio de bola. Não pertence ao meu costume colocar três atacantes que fiquem um disputando espaço com outro, mas acho que não foi isso que decidiu o resultado de hoje."

DAGOBERTO
"Eu compreendo perfeitamente o que passa pela cabeça do Dagoberto. Aqueles profissionais cuja incumbência é zelar pela integridade física dos jogadores não o fizeram. Vejam que durante os primeiros minutos vários ataques foram destruídos com faltas sobre o Dagoberto. Eu exijo que jogadores com a qualidade dele sejam defendidos. Se o Dagoberto for levar amarelo por causa de uma bola que ele adiantou dez metros, eu não sei qual é o senso de justiça de um árbitro que não advertiu vários jogadores que cometeram faltas violentas nele. Eu posso agradecer que esse jogo tenha terminado 2 a 2 e agradeço aos céus que um jogador como Dagoberto ainda estar na nossa equipe e não no hospital. Essa caça ao Dagoberto começou já no início do jogo e isso não deveria ser preocupação do treinador, e sim do árbitro."

PROTEÇÃO A DAGOBERTO
"Não tem como o clube proteger o Dagoberto dentro de campo. Quem faz isso é o árbitro. Mas não se trata só do Dagoberto, e sim dos jogadores em geral, que embelezam o futebol. O que vem acontecendo com o Dagoberto nas últimas três semanas, especialmente hoje, é alarmante. Não tenho nada contra a agressividade, mas considero extremamente desagradável quando um jogador é agredido dessa forma."

SIMÃO
"Simão ainda não faz parte da equipe titular, mas está se dirigindo a ela. É um jogador de grande paixão, que não tem medo de disputas de bola. Se ele continuar jogando como hoje e treinando como está, terá mais chances. Só depende dele aproveitar as oportunidades."



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…