16 abr 2006 - 23h35

Givanildo: “Só determinação não resolve”

Ao final da partida entre Atlético e Fluminense, onde a equipe carioca venceu pelo placar de 2 a 1, o técnico Givanildo de Oliveira concedeu uma entrevista coletiva à imprensa e procurou amenizar os erros cometidos da equipe nesta noite. Givanildo também comentou sobre o aspecto emocional dos jogadores, pediu reforços e falou sobre as substituições que fez na equipe durante a partida.

“Você tem que saber finalizar na hora que as chances aparecem, procurar sair na frente do placar uma vez ao menos e marcar melhor. Mas não é só o lado emocional que está afetando os jogadores, não é por isso que você deixa de ganhar ou perder uma partida”, comentou o comandante atleticano.

Givanildo também falou sobre a estréia de Válber, a expulsão de Jancarlos e da atitude da torcida, que logo após a saída de Ferreira entoou gritos de "burro" na Kyocera Arena.

Confira a íntegra da entrevista coletiva:

PSICOLÓGICO DOS JOGADORES
“Eu acredito que os jogadores estão sentindo o lado emocional. E isso poderia ter sido desfeito porque os 15 primeiros minutos foram muito bons, tivemos três chances de gol, principalmente com o Alan, mas não fizemos. Quando levamos o primeiro gol, daí foi um desastre, a coisa desandou, ninguém mais se encontrou. E a única explicação para isso é justamente esse lado emocional. Porque não é possível. Em 15 minutos de jogo você toma um gol, você tem muito tempo pra jogar, pra trabalhar, pra buscar o gol de empate e a vitória”.

FINALIZAÇÃO
“Com certeza não é só o lado emocional que está afetando os jogadores, não é por isso que você deixa de ganhar ou perder uma partida. Isso aí é um momento pelo que aconteceu lá atrás. Agora você precisa de outras coisas para ganhar um jogo. Você tem que marcar bem. Por exemplo, no primeiro gol nossa defesa não estava arrumada. O segundo gol, no início do segundo tempo, foi uma bola perdida na entrada da área do Fluminense, cedemos o contra-ataque e eles fizeram muito bem. Então, você começou o segundo tempo, perdendo de 1 a 0, e logo no começo toma o gol, aí vem o lado emocional. Mas o time procurou o resultado e em seguida, nos 10, 15 minutos finais, buscamos o empate, que não veio”.

ERROS
“Nós tivemos mais uma vez uma determinação. Mas só isso não resolve. Você tem que saber finalizar na hora que as chances aparecem, procurar sair na frente do placar uma vez ao menos e marcar melhor. Hoje tomamos dois gols. No jogo passado, minha primeira partida, pelo menos gol não tomamos, mas também não fizemos o gol que nos daria a classificação. Então nós erramos e estamos pagando por isso. O Fluminense arriscou mais, é um time que também treinou muito e nos treinamos também. E quando você erra mais que o adversário, você termina perdendo, como aconteceu”.

REFORÇOS
“Semana passada eu falei a respeito disso e vocês mesmo souberam, eu falei que precisava de alguns jogadores em algumas posições. Acontece que nós perdemos o Rodrigão e estamos esperando o Ivan e o Dagoberto, que ainda não estão nas condições físicas ideais. Então são situações que temos que trabalhar e torcer para que cheguem esses reforços”.

TORCIDA
"É uma coisa natural, mas eu queria que eles refletissem. Se fossem quatro ou cinco me xingando, tudo bem. Mas foram muitos. Mas esses muitos não podem julgar o Ferreira pelo que ele fez até agora, nós sabemos que ele é bom jogador, mas no momento ele não estava bem. Eu julgo no jogo. Eu olho quem está melhor, até porque neste jogo se eu tivesse seis ou sete trocas, eu faria porque o time não estava bem. Quando o time não está bem, você fica procurando quem está pior para poder mudar. Eu não tenho muito tempo. Sou apressado para algumas coisas e o futebol infelizmente é assim, você não tem tempo para ficar, você precisa ser rápido, arrumar o time e começar a ganhar, se não fica complicado”.

VÁLBER
“O Válber é meia, o Denis é atacante. Em momento algum falei que iria pôr o Válber no time titular, porque no treino eu tinha optado pelo Fabrício. Nesse último treino o Válber trabalho no time dos não-titulares. No momento da substituição o atacante que eu tinha no banco era o William, para tirar o Denis, então foi o que aconteceu. Mas o Válber felizmente entrou bem, justamente no momento em que tirei o Ferreira, achei que ele não estava nos melhores dias. O Válber foi bem, cresceu, melhorou, mas infelizmente não conseguimos o empate”.

PROBLEMAS
“Eu volto naquilo que eu falei. Só trabalhado. Não sou psicólogo, mas eu tenho conversado com os jogadores. Vocês da imprensa e a torcida, querendo ou não, pelo menos uma coisa conseguimos. Me passaram que era um time apático, que não se entregava, que não lutava. Mas nesses dois últimos jogos eu vi um time procurando e lutando até o final”.

EXPULSÃO DE JANCARLOS
“Foi um momento difícil. E é difícil para um treinador falar sobre p juiz, é complicado. Mas eu achei que não foi uma falta assim, foi um choque entre os dois jogadores, o Jancarlos foi na jogada. Como ele já tinha o amarelo, o juiz aproveitou e expulsou. Agora claro que, perdendo o jogo, naquele momento já estava 2 a 0, acaba complicando mais ainda”.



Últimas Notícias

Brasileiro

Libertadores, estamos chegando!

Na Arena da Baixada, o Athletico enfrentou o Botafogo pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2022. Dependendo somente das suas forças para garantir presença…