17 jun 2006 - 17h13

Testes fisiológicos terminam neste domingo

Os jogadores do Atlético que participam da intertemporada do clube desde a última quinta-feira, dia 12, completam neste domingo o fim da primeira etapa da fase de preparação, ou seja, dos testes fisiológicos. Neste domingo, os atletas passarão por uma avaliação física, para medir a velocidade, agilidade e impulsão de cada jogador.

Além desses itens, uma série de outras atividades foram realizadas nos últimos dias com o elenco, para se avaliar a real condição física de cada atleta atleticano. Na quinta-feira, dia da reapresentação dos jogadores, eles foram submetidos a exames médicos, além do teste de antropometria, com as medidas básicas como altura e peso, além do percentual de gordura, massa magra e o peso ósseo de cada jogador.

Na sexta-feira, os atletas passaram por uma readaptação física, com corridas leves e avaliação física, através do teste limiar anaeróbio. E no sábado, foi dia de se analisar a resistência dos jogadores, com corridas de 3.200 metros.

A avaliação é individual para se traçar um perfil da forma física de cada atleta do Rubro-negro, a fim de fazer uma preparação diferenciada e específica com cada jogador do grupo, atingindo-se um patamar ideal em todo elenco, que neste segundo semestre disputa duas competições: a seqüência do Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana.

Com o resultado completo desses testes, a comissão técnica do Atlético poderá realizar um trabalho na preparação física com maior qualidade. Em recente entrevista à Furacao.com, o diretor-técnico do Atlético, Antonio Carlos Gomes, comentou os trabalhos realizados na intertemporada, após as férias de 10 dias para os jogadores, na parada do Brasileirão para a Copa do Mundo.

“Nós teremos 37 dias parados (a contar desde o dia 04 de junho, quando o Atlético venceu o Palmeiras por 2 a 0, até o dia 12 de julho, quando o time enfrenta o Fortaleza). Vamos dar 10 dias de folga e aí eles vão voltar e terão três semanas para se preparar. Vai haver uma queda na parte física, mas temos de ter cuidado para não ter uma queda tão brusca”, disse, ressaltando a importância desses testes físicos no reinício da preparação do grupo.

Para Antonio Carlos Gomes, a parada para o Mundial é extremamente proveitosa para o grupo. “O atleta vê a Copa, o jogador cresce, aprende, motiva. Essas paradas não são ruins, são boas. Se a gente tivesse essas paradas mais freqüentes, teríamos espetáculos muito melhores, com níveis superiores”, opina.



Últimas Notícias