7 jul 2006 - 21h01

Malucelli desmente Malaquias em programa de rádio

A questão envolvendo a prorrogação do contrato de trabalho do atacante Dagoberto já virou uma novela. Ao contrário de Belíssima, cujo último capítulo será exibido nesta sexta-feira, o enrolado enredo envolvendo o jogador ainda parece longe do final. Nesta sexta, um dos empresários de Dagoberto, Naor Malaquias, participou ao vivo do programa Transamérica Esportes, transmitido pela Rádio Transamérica.

Durante alguns minutos, o representante da Marcosul Massa Sports comentou as declarações dos advogados atleticanos Marcos Augusto Malucelli e Diogo Fadel Braz durante a entrevista coletiva concedida ontem na sala de imprensa da Kyocera Arena. Entre outras coisas, Naor afirmou que Dagoberto teria ido à sede da torcida do Atlético e esclarecido sua posição, pois ele não teria nada contra a instituição Atlético.

Além disso, o representante falou sobre a negociação entre as partes para a renovação do contrato de trabalho de Dagoberto. Disse que a primeira reunião foi realizada no Grand Hotel Rayon e que o Atlético iniciou oferecendo 5% de participação nos direitos econômicos para o atleta. Depois, Naor admitiu que as partes chegaram aos percentuais variáveis de 25% a 30%, como os advogados atleticanos haviam esclarecido na coletiva de quinta-feira. Ele também confirmou que a única questão em que as partes não concordaram foi relativa ao valor da multa rescisória em caso de transferência para outra equipe brasileira. Naor Malaquias disse que a proposta deles era de fixar a multa em R$ 5,46 milhões e torná-la sigilosa. Dagoberto se comprometeria a fazer uso dessa multa somente caso o Atlético tomasse alguma atitude "contra" o jogador.

Por fim, Malaquias negou que Dagoberto tivesse pedido luvas no valor de 1 milhão de euros para renovar o contrato. "Isso não existiu", declarou.

Contraposição

Já no final do programa, mas quando Naor Malaquias ainda estava nos estúdios da Transamérica, o advogado Marcos Malucelli, integrante do Conselho Gestor do Atlético, telefonou para a rádio e rebateu algumas afirmações feitas pelo representante de Dagoberto.

Para começar, Malucelli esclareceu uma questão fática. Explicou que, de fato, as partes haviam chegado a um acordo e que a questão da fixação da multa rescisória no valor de R$ 5,46 milhões só foi levantada pelos procuradores do jogador após a reunião. Antes, Naor Malaquias havia afirmado que nunca havia se chegado a um consenso quanto à multa. "O Sr. Marcos Malaquias me procurou no meu escritório na manhã do dia 24 de maio. À noite, o Atlético jogaria contra o São Caetano. Por determinação da segurança do prédio, eu tenho as fitas das imagens da entrada e da saída dele do edifício", assegurou Malucelli.

Além disso, o conselheiro atleticano reafirmou que o atleta pediu 1 milhão de euros de luvas para renovar o contrato. Ele revelou que esse pedido foi formulado pelo advogado da Massa Sports, em nome da empresa e do atleta. Malucelli ainda se dispôs a permanecer no programa caso Malaquias quisesse fazer algum comentário. O apresentador Marcelo Fachinello perguntou a Naor Malaquias se ele questionava algum dos fatos suscitados por Malucelli, mas o representante da Massa foi sucinto. "Não", respondeu ele.



Últimas Notícias

Sul-Americana

Caminhando pela América

Dentro de uma semana o Athletico volta a campo na primeira partida da equipe principal e num dos torneios cobiçados pelo clube na temporada: a…