29 jul 2006 - 15h20

Atlético é bicampeão da Taça Belo Horizonte

“Bicampeão! Bicampeão!”. A campanha do Furacão na Taça BH de Futebol Júnior foi perfeita e finalmente os jogadores gritaram o título que a equipe tanto esperava. Com 100% de aproveitamento em nove jogos, a equipe venceu o Atlético Mineiro por 1 a 0 neste sábado com gol do zagueiro Lucas. O palco da conquista atleticana foi o Mineirão, em BH, e mesmo com a torcida contra, o time não se deixou abater e desde os primeiros minutos de jogo foi em busca do gol. Considerada pelo elenco rubro-negro a competição mais importante da categoria, o Atlético conquistou o título com 19 gols marcados e apenas três sofridos. O atacante Ricardinho foi o artilheiro com seis gols.

O jogo

Apesar do primeiro tempo terminar sem gols, o Furacão dominou o meio de campo e criou várias oportunidades. O time comandado pelo técnico Leandro Niehues teve sua primeira chance logo após o apito inicial, quando o meia Kaio cruzou uma bola perigosa e o zagueiro colocou para escanteio. Em seguida, o volante Roberto lançou Ricardinho, mas Leandro Almeida colocou pela linha de fundo. A resposta do alvinegro veio aos cinco minutos, quando Leandro Almeida pegou uma sobra, mas bateu por cima do gol. Trabalhando bem a bola, Sammir iniciou nova jogada e tocou de lado para Gerônimo, que chutou a direita do gol mineiro.

Aos 19 minutos, o Rubro-negro assustou os torcedores mineiros com um gol de Ricardinho, mas o árbitro marcou impedimento. No minuto seguinte, o goleiro Vagner se adiantou e tirou a bola de Jéferson, que corria para marcar. Na metade da primeira etapa o jogo ficou equilibrado e os dois times chegaram com perigo. O Rubro-Negro ainda teve boas chances com Kaio, Sammir e Renato, enquanto o Alvinegro tentou com Paulo Henrique e César. Para o meia Kaio, o primeiro tempo foi marcado pelas boas chances da equipe e o gol seria apenas questão de tempo. “O time teve algumas dificuldades por causa do cansaço. Mas temos que envolver a zaga deles e tocar mais, para marcar o gol no segundo tempo, pois quem jogar melhor vai ser campeão”, contou.

Na etapa complementar, novamente o Rubro-Negro começou melhor, com chances de marcar com Kaio e Ricardinho. Mas foi dos pés do zagueiro Lucas que saiu o gol do título. Aos oito minutos, o jogador deu um chapéu em Werley, matou no peito e chutou de perna esquerda para marcar. Aos 10 minutos, Kaio dominou pela esquerda e tocou para Edimar, que viu Ricardinho livre, mas o zagueiro tirou. Mas logo o time mineiro, apoiado por sua torcida, melhorou. Rodrigo Silva cobrou escanteio e Emerson chutou para fora. Com o cansaço da equipe, o técnico Leandro promoveu sua primeira substituição ao colocar Dudu no lugar de Renato. Infernizando a defesa adversária, o trio Kaio, Sammir e Ricardinho tentou novamente em uma jogada trabalhada, mas o atacante chutou para fora. Contundido, o lateral Gerônimo deixou o campo para a entrada de Pezão.

Com o passar dos minutos, o Atlético Mineiro começou a pressionar mais e a solução do Rubro-negro para chegar à área adversária eram os rápidos contra-ataques, que continuaram acontecendo comandados pelo meia Kaio. Com pouco menos de quinze minutos para o final do jogo, o técnico rubro-negro fez suas últimas substituições, quando sacou Sammir, Kaio e Dudu para as entradas de Fernando Mineiro, Vinícius e Léo, respectivamente. O Furacão segurou o adversário durante os últimos minutos e, após o apito final, comemorou muito o bicampeonato, que esperava desde 1996.

OS CAMPEÕES
Comissão Técnica:
Chefe de Delegação: Antônio Sureck
Técnico: Leandro Carlos Silveira Niehues
Preparador Físico: Jean Carlos de Freitas Lourenço
Preparador de Goleiros: Marco Aurélio Tedeschi dos Santos
Massagista: Edílson Deivid de Souza
Mordomo: Claudinei Aparecido Antunes Ferreira
Médicos: Dr. Eduardo Rezende e Dr. Lucas

Jogadores:
Goleiros – João Carlos, Renan e Vagner
Lateral – Gerônimo
Zagueiros – Léo, Lucas e Rhodolfo
Volantes – Chico, Edimar, Foguinho, Joelson, Roberto e Vinícius
Meias – Alan, Dudu, Jeferson, Kaio, Rogério e Sammir
Atacantes – Fernando Mineiro, Renato e Ricardinho

CAMPANHA

A campanha atleticana na competição foi perfeita. O Rubro-Negro venceu todas as nove partidas realizadas terminando a competição com 100% de aproveitamento e a melhor campanha do campeonato. Além desta invencibilidade, o Atlético teve a defesa menos vazada, que sofreu apenas três gols e o melhor ataque, balançando 19 vezes as redes mineiras.

Confira o desempenho dos campeões:
12.07.06 – Unitri 0 x 1 Atlético
14.07.06 Fluminense de Araguari 2 x 3 Atlético
16.07.06 – São Paulo 0 x 2 Atlético
18.07.06 – Goiás 0 x 1 Atlético
20.07.06 Uberlândia 0 x 2 Atlético
23.07.06 – Atlético 4 x 1 América-MG
25.07.06 – Fluminense 0 x 2 Atlético
27.07.06 – Goiás 0 x 3 Atlético
30.07.06 – Atlético 1 x 0 Atlético Mineiro

Com: 24P, 9J, 9V, 0E, 0D, 19GP, 3GC, 16S.

TROFÉU

Os campeões atleticanos receberam o troféu com o nome de Telê Santana, uma homenagem ao ex-técnico da seleção brasileira e de equipes como Atlético-MG, São Paulo e Fluminense, que faleceu em abril deste ano.

HISTÓRIA

Esta foi quarta vez que o Atlético chegou à final da Taça BH. Em 1991, o time perdeu para o Vasco e foi vice-campeão. O primeiro título veio cinco anos depois, tendo no elenco jogadores como William, Marcelinho e Joílson, o Atlético derrotou o Cruzeiro e levou a taça. Em 2003 o Rubro-Negro conquistou mais um vice-campeonato. Com jogadores que jogam no atual time profissional do Atlético, como Evandro, Vinicius e Alessandro Lopes, a equipe rubro-negra perdeu para o Flamengo nos pênaltis.

Taça BH de Futebol Júnior – Final – (29/07/06) – Atlético Mineiro 0 x 1 Atlético
L: Mineirão; H: 13h30; A: Ildon Seixas Muniz (MG); CA: Edimar e Dudu; G: Lucas Piasentin, aos 8 do 2°.

ATLÉTICO MINEIRO: Nicolas; Sheslon (Thiaguinho), Almeida, Werley e Léo Veloso; Rodrigo Silva, Renan, Batista (Edilson) e Jéferson (Ramon); César (Cristiano) e Paulo Henrique (Lyndson). T: Marcelo Oliveira.

ATLÉTICO: Vagner; Gerônimo (Joelson), Rhodolfo, Edimar, Lucas Piasentin e Chico; Roberto, Sammir (Fernando Mineiro) e Kaio (Vinícius); Renato (Dudu) (Léo) e Ricardinho. T: Leandro Niehues.



Últimas Notícias