22 out 2006 - 20h46

Análise de Fortaleza 3 x 4 Atlético, por Gustavo Rolin

Análise de Fortaleza 3 x 4 Atlético
por Gustavo Rolin

Em uma partida cheia de gols em Fortaleza, o Atlético conquistou uma importante vitória. Importante por praticamente sepultar o tricolor cearense e para tranqüilizar o grupo na dura luta contra o rebaixamento. Mais tranqüilo, poderemos nos focar no campeonato que realmente importa para o Atlético este ano: a Copa Sul-Americana.

O Atlético começou a partida com uma marcação totalmente "frouxa". Apesar de não pressionar, o Fortaleza mantinha o domínio do jogo e criava algumas oportunidades. Ao Atlético, restava os contra-ataques com nossos dois melhores jogadores no jogo: os baixinhos Ferreira e Marcos Aurélio. E foi a marcação falha que permitiu a marcação do primeiro gol cearense. Ele começou com mais um daqueles péssimos lançamentos de nosso capitão Danilo. A bola chegou a Rinaldo no meio, que tocou para Lúcio, e este passou facilmente por nossos zagueiros e por Montoya.

O gol tricolor parece ter despertado o Rubro-Negro, que partiu para o ataque. E numa belíssima jogada de nossa inspirada dupla de baixinhos, Ferreira acha Marcos Aurélio, que empata o jogo em um toque preciso.

Como de costume, o Atlético começou o segundo tempo sem alterações. E logo no começo, em uma bela jogada de Denis Marques, Cristian virou o jogo. Ao invés do gol dar tranqüilidade ao rubro-negro, não foi o que aconteceu. O Fortaleza foi pra cima e nossa zaga abusou do direito de errar. O gol de empate saiu de um cruzamento de Ramalho (um dos jogadores menos técnicos que já passaram pelo Atlético) para outro ex-atleticano, Finazzi.

O time continuou errando após o empate. Erandir parecia sentir saudades de seu tempo de Fortaleza e errava todos os passes. Alan Bahia perdendo bolas infantis querendo ser Zidane. Michel não marcava absolutamente nada e deixou que uma avenida fosse construída em nossa lateral esquerda. Tantos erros só poderiam resultar em uma coisa: Fortaleza novamente na frente. Bobeada da zaga e Lúcio aproveita para marcar.

Então apareceu a ousadia de Vadão, que já havia sido demonstrada em Montevidéu. Ele realizou três alterações que mudaram o jogo: William no lugar de Cristian, Válber no de Erandir e Pedro Oldoni no lugar do apagado estreante Evanílson. Será um novo Vadão?

O Furacão começou a criar muito mais e aparecer com mais perigo ao gol do Fortaleza. E foi recompensado com o empate num cruzamento de Denis Marques para o colombiano Ferreira. O novo empate abateu totalmente o time cearense, candidato fortíssimo ao rebaixamento. E Válber tratou de sacrificar o Leão. Em um lindo lançamento, William encontrou Marcos Aurélio dentro da área. Este cruzou para Válber, de direita, virar novamente o placar.

Foi uma importante vitória do Atlético, pois nos afasta da zona do rebaixamento. Se o Atlético jogar sem este fantasma nos rondando, pode focar toda a energia e concentração na Copa Sul-Americana. E este título salvaria um ano que tinha tudo para ser esquecido.

Gustavo Rolin é colaborador da Furacao.com. Clique aqui para entrar em contato com ele.

O texto acima não representa necessariamente a opinião dos integrantes da Furacao.com e seu autor se responsabiliza integralmente pelo conteúdo.



Últimas Notícias

Brasileirão A1|Opinião

NEM 8, E NEM 80

O título do que será relatado abaixo, resume muito o sentimento desse ilustre torcedor quem vos escreve.   Na noite de ontem o Furacão entrou…