13 nov 2006 - 10h51

Análise de Atlético 2×3 Grêmio, por Marcel Costa

Um jogo reserva
por Marcel Costa

O jogo de ontem foi atípico. Frio no meio do mês de novembro, Atlético em campo com time misto, torcida desinteressada e para completar um juiz fraquíssimo e confuso. Com todos estes ingredientes desfavoráveis, o público ainda superou as expectativas, com pouco menos de 10 mil pessoas presentes à Kyocera Arena.

Com a bola rolando, o jogo continuou atípico. Nunca tinha visto um Atlético e Grêmio sem pegada, confusão e disputas mais ríspidas. Dois times que tradicionalmente marcam forte, mas que nesta fria tarde de domingo deixaram o jogo correr. Sem faltas que fossem passíveis de cartões, sendo o único amarelo dado à Lucas, no lance do pênalti a favor do Atlético, graças ao toque de mão do volante gremista.

O Atlético entrou em campo com um time diferente do comum, conforme já adiantado durante a semana por Vadão. Mas além dos jogadores serem outros, o esquema foi bastante modificado. Marcelo Silva era o único volante, enquanto que William, Válber e Dagoberto tinham a função de criar as jogadas para a dupla de atacantes: Paulo Rink e Pedro Oldoni. No primeiro tempo o time pouco produziu e o sistema de jogo mostrou-se falho. O único gol atleticano saiu após precisa cobrança de falta de Dagoberto para cabeçada certeira de Marcelo Silva, os dois destaques do Atlético na partida. O volante quase marcou mais um gol, após inteligente passe de Válber, mas errou a pontaria e cabeceou para fora.

Na tentativa de melhorar a equipe que colocou em campo, Vadão apostou no polivalente Chico, jogador das categorias de base do clube que atua tanto de zagueiro, como volante e lateral esquerda. No entanto, o sacrificado foi Válber. Não entendi a substituição, pois Chico poderia entrar tanto no lugar de Ivan que mais uma vez não estava bem ou no de Paulo Rink, ajeitando o posicionamento da equipe com a ida de Dagoberto ao ataque.

Opções à parte, o time se ajeitou em campo, afinal passou a contar com dois volantes na marcação. Mas repetindo aquilo que temos visto durante todo o campeonato, especialmente nos últimos jogos, o Grêmio apostou nas bolas alçadas à área e assim desempatou o jogo duas vezes. Nem mesmo o gol de Dagoberto após uma seqüência de lindos lances do atleticano que resultou no pênalti por ele cobrado salvou o Atlético de mais uma derrota em casa. Agora restam três jogos ao Atlético no Brasileiro e o clube segue na busca por mais um ponto que eliminaria qualquer chance de rebaixamento para a segunda divisão de 2007.

Os destaques da partida, na minha opinião, foram quatro. Pelo Grêmio, o volante Lucas e o atacante Rômulo. Enquanto que no Atlético se destacaram Marcelo Silva e Dagoberto. Lucas é a grande revelação do Campeonato Brasileiro de 2006. O jovem gremista está sempre bem colocado, desarma com eficiência e sabe sair jogando. Talvez falte a ele um pouco menos de vontade, pois comete muitas faltas. Já Rômulo é um bom finalizador que já se destacava no Ituano com seus gols e continua mantendo a boa média no Grêmio.

Pelo Atlético, Marcelo Silva comandou a equipe, com um futebol eficiente e liderando os jovens companheiros, mostrando que pode ser titular da equipe. Já Dagoberto é um caso a parte. O jogador é craque, com qualidade técnica indiscutível. Ontem, mesmo sem ritmo, proporcionou um belo espetáculo à torcida atleticana, com dribles desconcertantes (inclusive duas canetas seguidas, uma delas em Lucas), passes perfeitos, escanteios bem cobrados, uma assistência e um gol. Em 75 minutos conseguiu fazer uma torcida desconfiada aplaudí-lo ao sair de campo. Poucos têm este dom, pena que pareça distante a conciliação do atleta com o clube. Quem mais perde nesta briga é o próprio torcedor que não sabe até quando contará com seu melhor jogador.

Marcel Costa é colaborador da Furacao.com. Clique aqui para entrar em contato com ele.

O texto acima não representa necessariamente a opinião dos integrantes da Furacao.com e seu autor se responsabiliza integralmente pelo conteúdo.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…