19 jan 2007 - 12h20

Atlético e Marcos Aurélio não chegam a um acordo

O Clube Atlético Paranaense e o jogador Marcos Aurélio de Oliveira Lima não chegaram a um acordo na audiência realizada na manhã desta sexta-feira na 11ª Vara do Trabalho de Curitiba. Marcos Aurélio pertencia ao Bragantino e foi contratado pelo Atlético em abril de 2006. O contrato era de empréstimo até dezembro, mas com preferência para o Rubro-Negro adquirir o jogador em definitivo. O clube pretendeu exercer esta preferência, mas Marcos Aurélio se recusou a assinar um novo contrato, rescindiu seu vínculo com o Bragantino e foi para o Santos.

Em dezembro do ano passado, o Atlético ajuizou uma ação contra o jogador e o Bragantino. A Juíza do Trabalho da 11ª Vara do Trabalho de Curitiba deferiu o pedido de tutela antecipada e determinou que o jogador assinasse um novo contrato com o Atlético, pelo prazo de três anos, e que o Bragantino efetivasse a transferência definitiva dos direitos federativos do jogador ao Atlético. O advogado de Marcos Aurélio, Fernando Barrionuevo, tentou reverter a decisão por duas vezes, mas o pedido de reconsideração foi negado pela Juíza e o mandado de segurança foi rejeitado pelo Tribunal Regional do Trabalho.

Audiência

Nesta sexta-feira, foi realizada audiência na 11ª Vara do Trabalho de Curitiba. Compareceram os representantes legais do Atlético (advogados Marcos Malucelli e Diogo Braz), do Bragantino (presidente Marquinho Chedid e advogado William Castilho) e o jogador Marcos Aurélio, assistido por seu advogado Fernando Barrionuevo.

Logo no início da audiência, Marcos Aurélio informou que não tinha interesse em celebrar um acordo. O Bragantino alega que não recebeu a notificação do Atlético de que o clube paranaense pretendia exercer a cláusula de direito de preferência para contratação de Marcos Aurélio. Já Marcos Aurélio sustenta que não tinha conhecimento de tal cláusula de preferência em seu contrato de empréstimo e que, portanto, ele não tem qualquer compromisso com o Rubro-Negro desde 1º de janeiro.

O jogador rompeu seu vínculo com o Bragantino através do pagamento da multa de R$ 650 mil que estava prevista em seu contrato com o time do interior paulista. O jogador disse que o dinheiro para este pagamento veio de um empréstimo de dois amigos, mas não quis revelar seus nomes. Graças a isso, pôde assinar com o Santos. Contudo, o contrato com o Peixe não foi registrado na CBF por força de ordem judicial. Assim, o jogador não tem condições legais de defender o alvinegro praiano neste momento – esta situação será mantida pelo menos até a próxima semana.

Como as partes não chegaram a um acordo, a Juíza da 11ª Vara do Trabalho, Rosângela Vidal, determinou a realização de audiência na próxima sexta-feira, dia 26 de janeiro. Nesta nova audiência, serão ouvidas quatro testemunhas indicadas pelas partes.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…